Região

Duke Energy vende seus negócios de energia no Brasil para a China Three Gorges Corporation por US$1,2 bilhão

 

 

Transação deverá ser concluída nos próximos dois a quatro meses negociações para a venda dos outros ativos na América Latina estão em fase final.

 

A Duke Energy Corporation anunciou hoje que firmou acordo para vender os seus negócios de energia no Brasil para a China Three Gorges pelo enterprise valuede US$1,2 bilhão que inclui a assunção da dívida. Os rendimentos líquidos de impostos serão usados para reduzir as dívidas da controladora Duke Energy.

“Esse é um avanço significativo na nossa iniciativa de adequação ao foco da empresa no nosso principal negócio doméstico regulado, e se soma a nossa recente aquisição da Piedmont Gás Natural,” disse Lynn Good, presidente e CEO da Duke Energy. “Vamos trabalhar com a compradora até a obtenção das aprovações necessárias para o fechamento da transação, enquanto continuamos a operar com segurança as usinas da América Latina”.

“Também estamos em meio ao processo de negociação da venda dos nossos demais ativos nas Américas Central e do Sul e esperamos fazer mais um anúncio em breve,” acrescentou Good.

A empresa começou o processo de saída do seu segmento internacional de negócios de energia em fevereiro de 2016. A Duke Energy International possui 4.400 megawatts (MW) de capacidade de geração de energia e opera na venda e fornecimento de energia elétrica, gás natural e líquidos de gás natural nas Américas Central e do Sul.

A CTG é uma empresa de energia limpa voltada para operações de desenvolvimento hidrelétrico em larga escala. A CTG desenvolve também negócios na área de energia renovável, inclusive energia eólica e solar. Presente em 40 países, a CTG é a maior produtora mundial de energia hidrelétrica, com capacidade instalada de aproximadamente 100 gigawatts, tanto em operação quanto em construção.

A conclusão da transação está condicionada à aprovação, no Brasil, da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) e as necessárias aprovações das autoridades chinesas. O fechamento está previsto para os próximos dois a quatro meses.

Os consultores financeiros da Duke Energy são o Credit Suisse e o JP Morgan. A Skadden, Arps, Slate, Meagher & Flom LLP presta consultoria jurídica à empresa.

Sobre a Duke Energy

A Duke Energy, uma das maiores holdings de energia elétrica nos Estados Unidos, fornece energia elétrica a aproximadamente 7,4 milhões de clientes no sudeste e centro-oeste, o que representa uma população de aproximadamente 24 milhões de pessoas. A empresa também distribui gás natural para mais de 1,5 milhão de clientes nas Carolinas, Ohio, Kentucky e Tennessee. As suas empresas comerciais e internacionais operam ativos de geração de energia diversificados na América do Norte e na América Latina, incluindo uma carteira de energia renovável em crescimento. Com sede em Charlotte, N.C., a Duke Energy participa do Índice S&P 100 de empresas com ações negociadas na Bolsa de Valores de Nova Iorque sob o símbolo DUK.

Sobre a Duke Energy Brasil

A Duke Energy Brasil opera e administra oito usinas hidrelétricas instaladas ao longo do rio Paranapanema e duas pequenas centrais hidrelétricas no rio Sapucaí-Mirim, com um total de 2.274 megawatts (MW) de capacidade instalada. Anualmente, a empresa gera cerca de 12 milhões de MWh, energia suficiente para abastecer quase 7 milhões de famílias ou 27 milhões de habitantes. Com cerca de 300 empregados no país, a Duke Energy Brasil representa o maior investimento internacional da norte-americana Duke Energy Corp. Mais informações sobre a empresa estão disponíveis nos sites www.duke-energy.com.br e www.duke-energy.com Para acessar um mapa e uma breve descrição das operações da Duke Energy International e suas usinas de energia, consulte https://www.duke-energy.com/about-us/businesses/international.asp

 

Escritório Help implanta Projeto de Gestão Estratégica

VER NOTÍCIA

Fim do preço de combustível com três dígitos, projeto de Ricardo Madalena é aprovado

VER NOTÍCIA

Produtores têm até 30 de setembro para declarar ITR

VER NOTÍCIA