Revista

Ginecologista alerta para importância do rastreamento clínico anual das mulheres

 

 

A conscientização sobre a importância da prevenção da saúde da mulher foi o tema da palestra do médico ginecologista, José Antônio Peres, na tarde de quarta-feira (19), na Santa Casa de Misericórdia de Santa Cruz do Rio Pardo. O evento compõe a programação do movimento Outubro Rosa, no município. Participaram do encontro colaboradoras do hospital e estudantes do curso técnico em enfermagem da Etec (Escola Técnica) Orlando Quagliato.

“O movimento Outubro Rosa foi criado com a intenção de mostrar ao público feminino a necessidade de se cuidar e conhecer o próprio corpo”, pontuou Peres.

O médico ressaltou que a partir dos 40 anos a mulher deve passar por atendimento clínico anual, pois durante a consulta o médico poderá avaliar a necessidade de encaminhamento para exames ou se está tudo em ordem com a paciente. “Caso o profissional note algo diferente irá solicitar uma mamografia diagnóstica”.

Já as mulheres com idade entre 50 e 69 anos podem fazer o exame a cada dois anos, com exceção daquelas com algum diagnóstico diferente da normalidade.

Muitas mulheres reclamam de dor no momento do exame, o médico orienta que para minimizar o incomodo, a mamografia deve ser evitada apenas no período pré-menstrual.

Mulheres com caso de câncer de mama na família, cuja ocorrência da doença foi registrada antes dos 50 anos, devem ficar mais atentas. “Pois esta precocidade pode significar uma mutação, como foi o caso da atriz americana Angelina Jolie que retirou as mamas, pois a mãe e a tia foram diagnosticadas com câncer precoce, isto não quer dizer que o mesmo deva ser feito por todas”.

O médico apresentou os números de registros de caso de câncer de mama do Brasil, chama a atenção o fato de que a região sudeste está em primeiro lugar na incidência da doença. Para se ter uma ideia, na cidade de São Paulo são 90 casos para cada 100 mulheres e nas regiões norte e nordeste este número cai para 30 a cada 100.

 

conscientiza-1

Ginecologista, José Antônio Peres, falou sobre prevenção da saúde feminina

 

O ginecologista alerta para fatores que colaboram para a incidência do câncer de mama, como o sedentarismo, alcoolismo, tabagismo e obesidade.

O palestrante falou sobre a prevenção contra o câncer de colo de útero. Diferente do câncer de mama, no de colo de útero é possível uma prevenção. Pois o exame papanicolau detecta lesões pré-malignas, enquanto na mama isto não é possível por meio do auto-exame e nem da mamografia, pois quando se constata algo já é pouco mais grave.

No caso do papanicolau, doutor Peres, adota a seguinte conduta, nas mulheres com mais de 45 anos, após dois resultados favoráveis consecutivos nos exames, uma nova avaliação é solicitada após três anos. “Isto porque o Câncer de Colo de Útero é desencadeado por um vírus contraído no início da vida sexual, com isso a mulher que fabricou anticorpos não terá câncer. Além disso, as adolescentes vacinadas contra o HPV também poderão fazer o exame a cada três anos, pois estão protegidas”, explica.   

 

 

Covid-19: sete internações só no final de semana em Santa Cruz

VER NOTÍCIA

Covid-19 em Santa Cruz: 808 casos positivos e 786 pessoas curadas

VER NOTÍCIA

Depois de três meses Santa Cruz registra caso positivo de dengue

VER NOTÍCIA