Revista

Médicos urologistas destacam a importância de exames preventivos à saúde do homem

 

 

Ao longo do mês de novembro é chamada a atenção para necessidade de prevenção da saúde masculina.

O médico urologista, Clelio Zanoni Filho, do corpo clínico da Santa Casa de Misericórdia de Santa Cruz do Rio Pardo, alerta para a conscientização da prevenção como um todo e não apenas em relação ao câncer de próstata que é o alvo principal da campanha.

Quando se fala em saúde do homem é necessário pensar também em andropausa, disfunção erétil, disfunção sexual, doença sexualmente transmissível e a síndrome metabólica que engloba o sedentarismo, obesidade, diabetes, colesterol alto e hipertensão arterial.  

Assim, a consulta ao médico urologista, ao menos uma vez ao ano, é primordial para o pedido e acompanhamento dos exames preventivos.

“O médico pedirá todos os exames para saber se a saúde está em boas condições. Entre estes o PSA (Antígeno Prostático Específico) que é uma triagem para diagnosticar o câncer de próstata”, explica Dr Clélio.

Já o toque retal deverá ser feito anualmente por homens com idade acima dos 50 anos e acima de 45 anos para aqueles que têm casos de câncer de próstata na família.

“Intrigante que o homem incentiva sua esposa a se prevenir e fazer os exames de rotina, mas ele mesmo não se cuida. Ainda existe um machismo em torno da atenção à saúde masculina”.

O médico urologista, Jonas Jovanolli Filho, diretor clínico do hospital, atenta para a prevalência de 18% do câncer de próstata no público masculino, no Brasil.

Além disso, o médico alerta para o fato da precocidade dos óbitos masculinos. Pesquisas apontam que de cinco mortes de adultos jovens (25 a 45 anos), quatro sejam de homens. Nesta fase as principais causas de morte são evitáveis, como, suicídio, homicídio, drogas, álcool e acidentes.

Já na faixa entre 45 e 65 anos, a principal responsável pelos óbitos é a síndrome metabólica, citada acima. Já após os 65 anos, o câncer de próstata e de pulmão são responsáveis pela maior parte das mortes.

TRATAMENTO

O tratamento do câncer de próstata é realizado principalmente por meio da prostatectomia radical, técnica cirúrgica, sendo a mais utilizada a suprapúbica. Também é admitida a observação assistida, hormonioterapia e radioterapia.

“No caso da prostatectomia, as chances de cura são de 90%, estar com câncer de próstata, não significa que o paciente vá morrer. Além disso, o diagnóstico precoce é de extrema importância”, finaliza Dr. Clelio.

 

 

Covid-19: sete internações só no final de semana em Santa Cruz

VER NOTÍCIA

Covid-19 em Santa Cruz: 808 casos positivos e 786 pessoas curadas

VER NOTÍCIA

Depois de três meses Santa Cruz registra caso positivo de dengue

VER NOTÍCIA