Revista

Médicos urologistas destacam a importância de exames preventivos à saúde do homem

 

 

Ao longo do mês de novembro é chamada a atenção para necessidade de prevenção da saúde masculina.

O médico urologista, Clelio Zanoni Filho, do corpo clínico da Santa Casa de Misericórdia de Santa Cruz do Rio Pardo, alerta para a conscientização da prevenção como um todo e não apenas em relação ao câncer de próstata que é o alvo principal da campanha.

Quando se fala em saúde do homem é necessário pensar também em andropausa, disfunção erétil, disfunção sexual, doença sexualmente transmissível e a síndrome metabólica que engloba o sedentarismo, obesidade, diabetes, colesterol alto e hipertensão arterial.  

Assim, a consulta ao médico urologista, ao menos uma vez ao ano, é primordial para o pedido e acompanhamento dos exames preventivos.

“O médico pedirá todos os exames para saber se a saúde está em boas condições. Entre estes o PSA (Antígeno Prostático Específico) que é uma triagem para diagnosticar o câncer de próstata”, explica Dr Clélio.

Já o toque retal deverá ser feito anualmente por homens com idade acima dos 50 anos e acima de 45 anos para aqueles que têm casos de câncer de próstata na família.

“Intrigante que o homem incentiva sua esposa a se prevenir e fazer os exames de rotina, mas ele mesmo não se cuida. Ainda existe um machismo em torno da atenção à saúde masculina”.

O médico urologista, Jonas Jovanolli Filho, diretor clínico do hospital, atenta para a prevalência de 18% do câncer de próstata no público masculino, no Brasil.

Além disso, o médico alerta para o fato da precocidade dos óbitos masculinos. Pesquisas apontam que de cinco mortes de adultos jovens (25 a 45 anos), quatro sejam de homens. Nesta fase as principais causas de morte são evitáveis, como, suicídio, homicídio, drogas, álcool e acidentes.

Já na faixa entre 45 e 65 anos, a principal responsável pelos óbitos é a síndrome metabólica, citada acima. Já após os 65 anos, o câncer de próstata e de pulmão são responsáveis pela maior parte das mortes.

TRATAMENTO

O tratamento do câncer de próstata é realizado principalmente por meio da prostatectomia radical, técnica cirúrgica, sendo a mais utilizada a suprapúbica. Também é admitida a observação assistida, hormonioterapia e radioterapia.

“No caso da prostatectomia, as chances de cura são de 90%, estar com câncer de próstata, não significa que o paciente vá morrer. Além disso, o diagnóstico precoce é de extrema importância”, finaliza Dr. Clelio.

 

 

Santa Cruz recebe as primeiras doses da Coronavac

VER NOTÍCIA

Santa Cruz recebe etapa da “Gincana do Caminhoneiro”

VER NOTÍCIA

Santa Cruz registra 15ª morte por Covid-19 e 10 pessoas estão na UTI

VER NOTÍCIA