Policial

Manutenção preventiva de caminhões é garantia de segurança e economia para motoristas

 

Estudos apontam que atitude reduz despesas em até 30%

Checar a mecânica e os equipamentos de segurança do caminhão antes de viajar é de extrema importância para garantir não apenas a segurança do motorista, mas também dos outros que cruzam com ele nas vias. E caso não seja realizada, os prejuízos podem ser grandes ou irreparáveis. O tempo e o tipo de revisão são feitos de acordo com o modelo do bruto, a carga que será conduzida e a logística adotada.

Economia
Engana-se quem pensa que as revisões periódicas representam apenas segurança no trânsito. Também refletem diretamente no bolso do condutor ou da empresa responsável pela frota. Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) revela que a manutenção preventiva custa, em média, 30% menos do que o valor total gasto nas sucessivas manutenções corretivas.

A mesma pesquisa aponta que 30% dos acidentes constatados nas rodovias envolvendo acidentes com caminhões poderiam ser evitados por meio da realização das manutenções periódicas nos veículos de grande porte.

Segundo o coordenador de Saúde e Segurança do Trabalho da CART – Concessionária Auto Raposo Tavares, Nivaldo Bautz, a manutenção preventiva se difere da manutenção corretiva, porque não ocorre apenas a substituição de peças ou remendos de emergência feitos após a verificação de uma instabilidade no veículo. “A manutenção corretiva, inclusive, tem custo mais alto e impõe altos riscos ao sistema viário e por isso ela não é a melhor opção”, aponta.

Reaproveitamento de peças
O Brasil não é o primeiro país a regulamentar as peças usadas. Essa prática é comum na Europa, com motivação ambiental. Lá, as seguradoras são incentivadas a fazer o reaproveitamento na tentativa de evitar mais emissões de gás carbônico e poluição ao produzir novas partes. Mas vale ressaltar que nem todo veículo poderá ter componentes reaproveitados. A resolução 530 do Contran (Conselho Nacional de Trânsito), publicada em 2015, determina que “veículos incendiados, totalmente enferrujados, repartidos ou em péssimas condições” deverão ser encaminhados para destruição como sucata.

Apesar de ser um negócio em expansão, especialistas em segurança no trânsito alertam que nem todas as peças podem ser reaproveitadas por questões de segurança. Caixa de direção, sistema dos freios, amortecedores e, principalmente, os pneus são algumas delas.

Mas, ainda é possível trafegar com segurança e ainda economizar, e algumas dicas são imprescindíveis. Dirija sempre com precisão e opere sempre na faixa ideal de rotação, sem esticar a aceleração em excesso, já que é dentro da faixa verde que o veículo tem o maior torque e o menor consumo de combustível.
Na condução, dirija de forma tranquila, com atenção total nas vias e fique atento a alguns detalhes antes de pegar a estrada:

1. Garanta visibilidade
Quando efetuar a troca de lâmpadas, faça sempre aos pares para que não haja diferença na luminosidade, além disso, certifique-se de que as faixas refletivas estejam em boas condições e/ ou limpas. Caso contrário, é hora de substitui-las.

2. Freios
Abasteça o nível de óleo dos sistemas hidráulicos e não se esqueça de esgotar a água que se concentrou nos reservatórios dos sistemas pneumáticos.

3. Filtro de combustível
Respeite o prazo de troca estipulado pelo fabricante.

4. Vazamentos
Importante checar se o caminhão não apresenta algum barulho estranho ou vazamentos de água, óleo, combustível ou fluídos.

5. Suspensão
A cada ano, revise molas, amortecedores, braços, buchas e barras. Faça a substituição se eles apresentarem desgastes ou folgas

6. Filtro de ar do motor
Troque o filtro conforme recomendação do fabricante. Dessa forma, você garante o desempenho do motor e colabora com o meio ambiente.

7. Sistema elétrico
Certifique-se que baterias e cabos estão limpos, fixos ou corroídos.

8. Vidros e para-brisa
Vidros riscados, sujos ou trincados dificultam a visibilidade são perigosos. Mantenha as palhetas em dia. O ideal é trocá-las a cada seis meses ou quando a borracha já estiver ressecada.

12. Pneus
O ideal é que sejam calibrados a cada carga e não podem estar desgastados. Assim, garantem a estabilidade do veículo e a eficiência do freio caso necessite ser acionado.

Paradas para descanso
Pensando no bem-estar do motorista, a CART oferece gratuitamente paradas para descanso rápido, o SAU – Serviço de Atendimento ao Usuário. Em todo o corredor, são 12 bases que podem ser utilizadas para paradas rápidas e contam com fraldário, banheiros e um sistema de informações que permite o contato do usuário com o CCO – Centro de Controle Operacional da CART em tempo real para obter informações sobre rota, condições da rodovia, trechos em obra, clima e também pontos turísticos na região.
Confira as bases do SAU no Corredor CART:
SAU 1 – Km 249+300 (sentido Oeste) – Piratininga
SAU 2 – Km 282+090 (sentido Leste) – Paulistânia
SAU 3 – Km 315+460 (sentido Leste) – Santa Cruz do Rio Pardo
SAU 4 – Km 385+040 (sentido Oeste) – Salto Grande
SAU 5 – Km 416 (sentido Leste) – Palmital
SAU 6 – Km 449+990 (sentido Oeste) – Assis
SAU 7 – Km 481+630 (sentido Oeste) – Paraguaçu Paulista
SAU 8 – Km 509+270 (sentido Oeste) – Rancharia
SAU 9 – Km 545+500 (sentido Oeste) – Regente Feijó
SAU 10 – Km 574+800 (sentido Oeste) – Álvares Machado
SAU 11 – Km 601+400 (sentido Leste) – Santo Anastácio
SAU 12 – Km 636+620 (sentido Oeste) – Caiuá

 

 

CART encerra Operação Tiradentes sem acidentes fatais

VER NOTÍCIA

Lei do farol “acende” novamente nas rodovias

VER NOTÍCIA

Outubro Rosa: Mulheres se destacam na direção e revelam importância do cuidado com a saúde

VER NOTÍCIA