Região

Trabalhadores da CPFL Santa Cruz rejeitam proposta e marcam greve para 01 de fevereiro

 

 

Mesmo sob ameaças e chantagens de lideranças e gerentes que estariam coagindo os trabalhadores a aceitarem a proposta da empresa.

 

Fonte: Imprensa Eletricitários de Ipaussu

 

CPFL Santa Cruz – Trabalhadores da CPFL Santa Cruz rejeitaram a contraproposta da empresa e decidiram entrar em greve por 24 horas a partir da meia noite de 1º de fevereiro, quarta feira. A greve que foi aprovada pelos trabalhadores durante as assembleias gerais realizadas pelo Sindicato nos dias 20 e 23 do corrente mês, mesmo com ameaças e coação por parte de alguns líderes da empresa, denuncia o Sindicato dos Eletricitários de Ourinhos, Ipaussu e Região.

Segundo o Presidente do Sindicato André Paladino, a empresa condicionou o fechamento do Acordo Coletivo de Trabalho de 2016 à mudança na forma de custeio do plano de saúde, “agindo dessa forma a CPFL Santa Cruz quer nos obrigar a mudar o plano de saúde, já que temos uma sentença judicial que proíbe a empresa de alterar o plano unilateralmente, isso foi no ano de 2014 quando a  Empresa tentou de todas as formas migrar nosso plano médico para a Fundação CESP, o que é totalmente inviável para a realidade salarial praticada pela Santa Cruz, sob pena de multa de R$ 1.000,00 por empregado, a greve acontecerá se não houver nenhuma resposta da Santa Cruz até a próxima sexta-feira, dia 27/01.”

Esse tema tem travado as negociações salariais desse ano, que começaram em novembro de 2016. “A empresa começou a colocar essa condição para poder fechar o ACT. Os trabalhadores não aceitam que de um momento para o outro o seu desembolso com o plano de saúde tenham sofra um aumento substancial como pretende a empresa. Tentamos de todas as formas negociar, mas eles sempre chegam com a mesma conversa, e não mudam a proposta”, falou Paladino, que garantiu que foram realizadas pelo menos cinco mesas de negociações.

O formato atual do plano de saúde é de que cada funcionário pague 6,53% por cento do salário como forma de custeio do plano abrangendo a família do trabalhador, e a CPFL Santa Cruz quer mudar para R$ 69,38 por vida ou 30% do valor cobrado pela Unimed, sendo que para vários trabalhadores esta forma de cobrança inviabilizará o plano, pois ficará muito caro para ele.

Para piorar a situação, o sindicato estuda denunciar formalmente a empresa na OIT – Organização Internacional do Trabalho, já que durante as assembleias trabalhadores indignados informaram que líderes e funcionários de chefia estariam ameaçando, chantageando e coagindo o trabalhador a aceitar a contraproposta ofertada pela empresa.

Demissões na negociação

Seguindo como forma de agir da CPFL Santa Cruz, o presidente do Sindicato dos Eletricitários André Paladino notificou formalmente a empresa de que não será aceitável demitir trabalhadores no período de negociações, segundo Paladino, esta é mais uma forma de “ameaçar” os trabalhadores, e alertou que se esse tipo de “retaliação” voltar a ocorrer novamente, uma nova greve será deflagrada. O sindicato afirma que reconhece o direito da empresa de como empregador contratar e demitir como lhe convém, mas demitir no momento da negociação é desrespeito e falta de consideração com os empregados.

Premiações

A CPFL Energia, maior grupo privado do setor elétrico brasileiro, foi uma das vencedoras na edição 2016 do Prêmio Abradee. A empresa venceu na categoria “gestão operacional” e ganhou o prêmio de “responsabilidade social”. E ainda foi eleita com o “melhor departamento jurídico da América Latina” na edição 2016 do International General Counsel Awards, premiação que reconhece empresas de todo o planeta com as melhores práticas em termos de planejamento, gestão, execução e inovação nas áreas legais, fiscais e de propriedade intelectual e ainda foi selecionada pelo décimo segundo ano seguido para compor o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da BM&FBovespa.

Estes são apenas alguns dos prêmios que os trabalhadores ajudaram a CPFL a conquistar, dái a indignação, a empresa recebe os prêmios e não reconhece o trabalhador, e ainda pior, estuda mecanismos de dificultar ainda mais a sua forma de vida. O presidente do Sindicato afirma que tem dúvidas de que alguns prêmios internacionais poderiam estar em risco se a denúncia a OIT for realmente feita.

Ainda segundo Paladino, as negociações com a empresa, sempre foram tranquilas, mas começaram a ficar difíceis com a entrada do novo Gerente de Serviços de Campo. “As negociações não eram fáceis, mas também não eram assim desse jeito, não haviam essas intransigências a ponto de ameaçar trabalhador, onde já se viu Gerente coagir, o líder a coagir seus comandados. Aliás, esse é o motivo que nos fará ingressar com denúncia formal na OIT ”, finalizou o Presidente André Paladino.

 

 

Governador sanciona projeto de Ricardo Madalena que obriga divulgação dos radares

VER NOTÍCIA

Assembleia aprova projeto de Ricardo Madalena que obriga divulgar localização de radares

VER NOTÍCIA

Prefeitura de Santa Cruz investe meio milhão de reais em implantação de led

VER NOTÍCIA