Política

“Foi um momento de muito stress” revela Otacílio sobre vontade de renunciar

 

 

Bem mais tranquilo e esbanjando bom humor o prefeito de Santa Cruz do Rio Pardo, Otacílio Parras Assis (PSB), concedeu entrevista coletiva no início da tarde desta quinta-feira (16), e claro o assunto principal nos 40 minutos de conversa com os jornalistas, foi a sua “quase” renúncia na última terça-feira (14).

Otacílio disse que a sua decisão de renunciar ao cargo não foi planejada, ninguém da sua família sabia, e quando ele resolveu renunciar ele comunicou alguns funcionários que estavam em seu gabinete, e o estopim para a decisão foi receber documentos que ele acreditava estarem tudo ok, e viu que não estavam, não quis revelar que documentos eram esses.

“Não conversei com ninguém da minha família, a minha esposa estava em São Paulo e não sabia de nada, depois que comentei o que faria aqui no gabinete alguém ligou para um dos meus filhos e então ele me ligou, mas não consultei ninguém, foi uma decisão minha e em um momento de muito stress” revelou Otacílio.

Aproveitou e explicou o motivo de tanto stress “O stress é causado por uma série de preocupações, e graças a Deus o meu não é financeiro, não são com meus filhos, e sim meu excesso de preocupações é com a nossa cidade, e acho que isso é bom para nossa população, pois tem alguém que está se preocupando com a cidade, e para diminuir esse excesso de stress e não deixar que esse tipo de situação volte a acontecer, é continuar administrando da melhor maneira possível e fazendo máximo, mas sendo menos rigoroso do que fui nestes quatro anos, eu entendo que exigi muito da população, das pessoas que procuram a prefeitura, dos empresários que tem negócios com a prefeitura, das loteadoras, da empresas que prestam serviços, dos funcionários da prefeitura, e esse exigir muito causa esse stress, eu entendo que eu tenho uma velocidade de trabalho muito além do normal das outras pessoas, eu exijo de mim muito mais que as outras pessoas exigem delas, então eu tenho passar a exigir menos de mim, e entender que o serviço público infelizmente não tem como ter a mesma velocidade de um serviço particular” comentou.

E continuou “Tenho que me adaptar, o serviço público é demorado, tenho entender que o serviço público demora seis meses para contratar uma perícia contábil no caso da Feitosa, tenho entender que o serviço público demora quatro anos para iniciar a construção de uma creche, aí tenho que escutar das pessoas o que é aquela cobertura abandonada em frente ao Supermercado São Sebastião, e ela não está abandonada, aquilo lá é a velocidade do serviço público, e isso estressa uma pessoa que como eu que quer que as coisas aconteçam, por isso resolvi diminuir meu ritmo, mas claro continuar com muito trabalho, honestidade, e se prometi fazer em quatro anos mais do que fizeram em doze, e cumprimos, agora prometemos fazer em oito mais do que foi feito em 30 anos, e vamos fazer”.

O prefeito disse que seu relacionamento com Dito, vice-prefeito, é muito bom, e não se incomodou com as entrevistas concedidas durante a terça-feira pelo seu aliado “Vocês estão falando que o Dito estava até preparando um novo secretariado, não sei, mas se estava ainda era muito cedo, pois eu seria prefeito até segunda-feira, e ele assumiria só na terça, então aí sim ele teria que pensar nisso, mas vou conversar com ele, de repente algum nome dele pode ser aproveitado em nosso governo, e quem falou que estou rachado com meu vice deve ser louco”.

Otacílio disse que em momento algum temeu perder o cargo “Se eu fosse de uma pessoa que precisasse da prefeitura para sobreviver do ponto de vista financeiro, ponto de vista material, realmente eu teria ficado preocupado, mas minha preocupação é apenas fazer o meu trabalho bem feito, e as vezes isso realmente acontece quando saio daqui da prefeitura sem ter conseguido resolver certos assuntos, aí eu perco sono, agora ficar com cargo ou sem cargo, e me conhece bem sabe que essa não é minha preocupação”.

O único momento em que o prefeito não falou sobre acontecimentos da última terça-feira foi quando questionado sobre a assinatura de contrato com a Sabesp “Foi divulgado que eu iria assinar o contrato com a Sabesp hoje, e como vocês estão vendo não fui, mas isso não tem nada a ver com os acontecimentos desta semana, é que recebi a informação de que a Sabesp fez algumas alterações no contrato, e eu não concordo com algumas delas, então a reunião de hoje foi cancelada, e na segunda-feira representantes da empresa estarão aqui em meu gabinete”.

Ao voltar ao assunto da polêmica renúncia ele revelou algumas coisas que o fizeram voltar atrás “Algumas pessoas foram muito importantes na terça-feira, uma delas é o Irineu Gozzo, que chamo de meu amigo número um, várias manifestações de apoio nas redes sociais, e claro o fato de onze vereadores irem até minha residência me comoveu, e o momento de mais emoção foi quando a gente subia em caminhada para a câmara para retirar a renúncia, as pessoas passavam de carro e gritavam palavras de apoio, isso faz com que tenha ainda muito mais força para continuar minha administração”.

Questionado se tirou alguma lição do acontecimento respondeu “Sim, que a população de Santa Cruz me adora”.

 

 

Com 12 internações nas últimas horas, comércio em Santa Cruz fecha por sete dias

VER NOTÍCIA

Santa Cruz recebe prêmio do governo em projeto da saúde

VER NOTÍCIA

Eleições em Santa Cruz: Diego foi eleito com 14.909 votos (64,28%)

VER NOTÍCIA