Revista

Tratamento paliativo em domicílio é um assunto delicado, mas que precisa ser discutido

 

 

Bem-estar e qualidade de vida do paciente devem ser levados em consideração quando o tratamento não faz mais efeito

 

Um dos momentos mais difíceis para a família é o momento em que o familiar que luta contra alguma doença entra na fase terminal, ou seja, as chances de cura são mínimas e ele não responde mais aos tratamentos.

O tratamento domiciliar paliativo é uma das maneiras de levar conforto e diminuir consideravelmente as dores do paciente em um estágio em que o corpo dele está extremamente fragilizado e debilitado.

Mas não é uma decisão fácil de ser tomada. Para optar pela assistência paliativa em domicílio, a família precisa entender que o tratamento e as internações hospitalares não fazem mais bem  ao paciente. São ações, já sem eficiência, que trazem mais dor, sofrimento e desgaste físico.

Nesta hora, o que interessa é dar o máximo de conforto e qualidade de vida ao paciente, independentemente de quanto tempo de vida esse doente ainda terá. Pela seriedade da decisão, ela deve ser tomada em conjunto entre os médicos, a equipe de enfermagem e a família.

“Para que o tratamento paliativo em residência tenha resultados eficazes, é necessário que seja estabelecido um plano rigoroso de medicações e controle de sinais vitais, para perceber qualquer desconforto do paciente e poder agir de maneira rápida”, explica a gerente de enfermagem da AleNeto Enfermagem, Nayara Moreno.

Essa assistência paliativa na casa do paciente só pode ser feita sob a supervisão de uma equipe especializada de enfermeiros. E esse tipo de acompanhamento não consiste apenas em remédios que controlam a dor. O aspecto do atendimento humanizado também aparece muito forte. “Recentemente, na Europa, um gesto de uma equipe de enfermagem de um hospital comoveu o mundo. Um paciente em tratamento paliativo teve seus últimos desejos realizados: uma refeição calórica e uma taça de vinho branco, tudo isso degustado vendo o pôr do sol. Se estivesse em tratamento pesado, nada disso seria permitido. Como não era o caso, privilegiou-se o bem-estar e a felicidade do paciente”, fala Nayara.

A AleNeto Enfermagem presta atendimento domiciliar em Santa Cruz do Rio Pardo e região. Para conhecer mais, ligue (14) 3372-0631 e no telefone de plantão 24 horas (14) 99747-0154.

 

 

Covid-19: sete internações só no final de semana em Santa Cruz

VER NOTÍCIA

Covid-19 em Santa Cruz: 808 casos positivos e 786 pessoas curadas

VER NOTÍCIA

Depois de três meses Santa Cruz registra caso positivo de dengue

VER NOTÍCIA