Revista

Teimosa e resistência do idoso em receber cuidados devem ser vencidas com profissionalismo e companheirismo

 

 

O comportamento dos idosos pode mudar bastante depois de uma determinada fase da vida, desencadeado por alguma questão familiar (perda de pessoas próximas), doença ou motivos financeiros.

Geralmente, o idoso fica mais “turrão” e teimoso. Os primeiros sinais são à resistência aos cuidados com o mesmo. Ele acredita que não precisa de ninguém para ajudá-lo a cuidar de sua saúde, de sua higiene e nem em tarefas domésticas, mesmo quando é claro que esse tipo de auxílio é essencial.

Nesta fase, frases como “eu sou um inútil”, “não quero dar trabalho para ninguém”, “se eu morrer será melhor para todo mundo” são ouvidas muitas vezes pelos filhos destes idosos. Os autores desses lamentos percebem que sua autonomia perante à  própria vida não é mais a mesma e têm medo de dar trabalho para os familiares.

Na maioria das vezes, a família tenta ajudar. Em alguns casos, os filhos deixem de lado suas vidas pessoal e profissional para assumir os cuidados com os pais, mas, por falta de conhecimento técnico para isso, essa atitude acaba sendo ineficiente e gera um grande desgaste dentro da família.

“Todo o idoso será resistente a cuidados externos em um primeiro momento, seja com familiares ou com profissionais. Porém, como há componentes afetivos e históricos fortes com os filhos, netos, irmãos, o trabalho acaba sendo mais difícil. Um profissional da área de enfermagem também vai encontrar resistência no começo, mas com técnicas psicológicas e um atendimento humanizado, logo esse paciente vai perceber que a equipe está lá para ajuda-lo e as coisas fluem naturalmente”, afirma Nayara Moreno, a gerente de enfermagem da AleNeto Enfermagem.

Um dos grandes equívocos é pensar que um auxílio profissional, seja na figura do cuidador de idoso seja na do enfermeiro, irá tirar a autonomia deste paciente, fazendo com que ele viva uma rotina de regras. “Muito pelo contrário. Nós estamos lá justamente para resgatar a autonomia destes pacientes e criar uma estrutura segura para que eles façam tudo o que querem com mais segurança e de maneira mais saudável”, completa Nayara.

A AleNeto Enfermagem presta atendimento domiciliar em Santa Cruz do Rio Pardo e região. Para conhecer mais, ligue (14) 3372-0631 e no telefone de plantão 24 horas (14) 99747-0154.

 

 

Covid-19: sete internações só no final de semana em Santa Cruz

VER NOTÍCIA

Covid-19 em Santa Cruz: 808 casos positivos e 786 pessoas curadas

VER NOTÍCIA

Depois de três meses Santa Cruz registra caso positivo de dengue

VER NOTÍCIA