Revista

Enfermagem domiciliar ajuda até no casamento

 

 

Atendimento profissional tira do cônjuge a responsabilidade de tarefas difíceis de executar

 

O cenário que vamos descrever a seguir não deve ser totalmente estranho a você: o marido fica doente, muitas veze acamado, e a mulher passa a cuidar dele com o banho, alimentação, troca de fraldas, quando necessário, medicação e até para andar.

Todo o amor de esposa é transferido para os cuidados com esse homem. Uma situação natural em um casal. Mas, com o tempo, essa mulher vai ficando cansada, o marido vai exigindo cada vez mais e a situação que no início era só de amor e carinho ganha componentes como irritação, depressão e até mesmo falta de condições físicas e psicológicas para continuar essa árdua caminhada.

Pois é neste momento que essa mulher precisa de ajuda profissional. “Quando a esposa ou o marido decidem cuidar sozinhos do companheiro ou companheira doente, ela, com o tempo, deixa a condição de cônjuge e passa a ocupar a posição de mãe ou pai. O que, claro, para o relacionamento dos dois, é péssimo”, avalia Nayara Moreno, gerente de enfermagem da AleNeto Enfermagem.

Uma equipe profissional em domicílio assume tarefas como dar banho, trocar a fralda, ajudar a se levantar e andar, ajudar a comer, no controle e organização da medicação e até outras mais complexas, como no caso de um paciente com sonda, por exemplo, e tira um peso e uma responsabilidade muita grande das costas daquela pessoa que assumiu sozinha os cuidados com o companheiro.  É um alívio físico e psicológico.

Com um plano de assistência domiciliar de enfermagem implementado naquela residência,  sobra tempo para a esposa ou o marido voltarem a se dedicar a tarefas profissionais, a cuidar do restante da família, da casa e de si próprio. Essa mudança de astral na família, claro, contribui para a evolução do paciente.

“É óbvio que a esposa, quando vê o marido doente, vai querer ajudar. E deve. Mas de uma maneira mais leve, deixando o trabalho pesado para os profissionais. A maior ajuda que esta esposa vai dar é com carinho e amor, e não, por exemplo, trocando uma fralda ou dando um banho. Teve casais que, após a chegada dos profissionais, voltaram a ser casais e até a namorar, em alguns casos. A esposa deixou de ser mãe e voltou a ser esposa, reorganizando toda a família”, ressalta Nayara.

A AleNeto Enfermagem presta atendimento domiciliar em Santa Cruz do Rio Pardo e região. Para conhecer mais, ligue (14) 3372-0631 e no telefone de plantão 24 horas (14) 99747-0154.

 

 

Covid-19: Dr. Jonas é internado e estado do Dr. André é grave

VER NOTÍCIA

AME Ourinhos destaca programas de prevenção de saúde da mulher e do homem

VER NOTÍCIA

Covid-19: sete internações só no final de semana em Santa Cruz

VER NOTÍCIA