Revista

Santa Casa implanta melhorias na ‘Rede Cegonha’

 

 

A partir desta quinta-feira (1º de junho) entram em vigor algumas alterações relacionadas ao setor da maternidade da Santa Casa de Misericórdia de Santa Cruz do Rio Pardo. As adaptações visam melhorar o sistema ‘Rede Cegonha’, criado pelo Ministério da Saúde, com objetivo da humanização do parto.

As mudanças, inclusive, do Plano Regional Rede Cegonha, foram tratadas durante reunião na DRS (Departamento Regional de Saúde) de Marília, no início do mês.

Para aplicação das melhorias as equipes de colaboradores da enfermagem se reuniram na última semana com intuito de tratar das novas rotinas.

Muitos dos itens dos projetos já estão em andamento como forma de teste.

“Ficou acordado que todas as ações que não necessitam de recursos financeiros, serão executadas pela equipe, principalmente no que diz respeito à humanização do parto, desde a acolhida da gestante no pré-natal até o nascimento e acompanhamento do processo”, explica a enfermeira chefe na Maternidade, Patrícia Yoneda.

Quando foi implantada a Rede Cegonha, ficou definido que seria enviado ao Hospital uma verba de R$ 350 mil para melhorias na estrutura física e compra de equipamentos, no entanto, este dinheiro não foi repassado. “Na verdade ocorreu o contrário, o projeto entrou em funcionamento sem o respaldo financeiro. Agora o que tentaremos fazer é melhorar aquilo que depende do pessoal e aos poucos adequar a estrutura, através de recursos das penas pecuniárias, por exemplo, para compra de cadeiras destinadas aos acompanhantes, aquecedor e outros itens”, explica a administradora, Andreia Laudácio.

Barbara, com o filho Helton, foi uma das primeiras a manter o contato pele a pele, minutos após o nascimento do bebê

 

O QUE MUDA?

– O parto cesárea ou normal poderá ser acompanhado por uma pessoa escolhida pela mãe. O acompanhante deverá receber orientação, com noções de comportamento no Centro Cirúrgico, 48 horas antes do parto. Não será permitida a filmagem e fotos. O horário de visitas e número de pessoas permitido não foi alterado.

– Após o nascimento mãe e bebê terão contato pele a pele ainda no Centro Cirúrgico, no caso de cesárea, e na Sala de Parto para parto normal. “É comprovado que facilita a amamentação e coloniza as bactérias com as quais a criança terá contato na sua casa”, diz Patrícia Yoneda.

No caso de cesárea, foi preparada uma sala de recuperação ao lado do Centro Cirúrgico para que mãe e filho mantenham o contato pele a pele. Caso a mãe não esteja em condições de segurar o bebê, o berço aquecido permanecerá ao seu lado. Após uma hora deste contato inicial, mamãe e bebê seguem para o quarto.

No caso do Parto Normal, se a mulher estiver bem, ela e o bebê vão diretamente para o quarto, onde acontece o primeiro banho.

Barbara Cristina Celestino foi uma das primeiras a manter o contato pele a pele com o seu bebê, Helton Samuel.

– Desta forma o espaço tido como berçário será eliminado e passará a funcionar como um Posto médico para a realização de exames mais específicos.

– Outros procedimentos realizados na maternidade seguem da mesma forma, como a alta responsável, com agendamento da primeira consulta e teste do pezinho e autorização para registro do bebê.

 

NORMAL OU CESÁREA

A partir da 39ª semana a gestante, por lei, tem o direito de decidir pela cesárea ou parto normal. No entanto, o Ministério da Saúde preconiza o parto normal e elenca os benefícios para a mãe e o bebê.

Estas orientações serão repassadas às gestantes durante o pré-natal, realizado com as atendidas do SUS, na Santa Casa, a partir da 36ª semana de gestação.

No caso da escolha por cesárea, as futuras mamães assinam um termo onde constam todos os riscos de intercorrências da cirurgia.

Entre os benefícios do parto normal está a recuperação mais rápida, sendo assim a mulher consegue cuidar de si e do bebê com mais facilidade, poucas horas após o nascimento da criança. Não é necessária a ingestão de muitos medicamentos.

O parto normal também traz benefícios aos bebês. Para a criança significa vencer o primeiro obstáculo, além disso, durante a passagem pelo canal do parto, o bebê é massageado e serve como estímulo para melhoria na respiração, pois após a saída do corpo da mãe, a criança elimina o líquido amniótico dos pulmões.

 

 

AME Ourinhos destaca programas de prevenção de saúde da mulher e do homem

VER NOTÍCIA

Covid-19: sete internações só no final de semana em Santa Cruz

VER NOTÍCIA

Covid-19 em Santa Cruz: 808 casos positivos e 786 pessoas curadas

VER NOTÍCIA