Revista

Idoso não deve ser tirado de casa contra sua vontade

 

 

Muitas famílias já passaram por este dilema: o idoso já não consegue mais viver sozinho e os filhos, netos e parentes pensam em tirá-lo de sua própria casa para levá-lo para a residência de algum familiar.

O pensamento é que, com a mudança de casa, ele estará mais seguro e terá o carinho dos familiares. Deixará uma possível solidão de lado. A decisão, portanto, parece mais do que acertada. Certo? Nem sempre.

A não ser que o idoso manifeste o desejo de sair de seu lar, na maioria das vezes essa mudança em sua vida será muito mais problemática do que benéfica.  “Os idosos não gostam de deixar suas casas. Eles têm uma história naquele lugar, sua vida está ali. Lá ele tem seus pertences e vive da maneira que quiser. É o dono do pedaço com suas manias e sua rotina, como qualquer jovem, aliás. Tirá-lo deste ambiente aconchegante, mesmo com a melhor das intenções, pode trazer uma série de problemas”, avalia Nayara Moreno, gerente de enfermagem da AleNeto Enfermagem.

O idoso, de cara, pode não se acostumar com o novo lar e até mesmo ficar desorientado e confuso. Ele também poderá se sentir um “invasor” e um “incômodo” na nova casa e acabar desenvolvendo uma depressão. Por mais que a família queira transformar aquela nova moradia no lar do idoso, isso dificilmente acontecerá ao gosto dele.

Além disso, ele poderá criar mágoa de quem o tirou de casa sem consultá-lo. Mesmo sem intenção, essa pessoa ficará sendo um carrasco. Há também as questões para as pessoas que moram no lugar que vai receber esse idoso. Todas elas devem se preparar para mudanças profundas na sua vida, desde uma nova organização da residência (móveis, horários, prioridades) até questões que esbarrem na intimidade dos antigos moradores. Será que todos estão preparados para isso?

“O ideal é, se possível, manter o idoso em sua casa, seu cantinho. A segurança dele poderá ser garantida com uma equipe de enfermagem e cuidadores de idosos e também um esquema de visitas regulares de parentes”, diz Nayara Moreno.

A AleNeto Enfermagem presta atendimento domiciliar em Santa Cruz do Rio Pardo e região. Para conhecer mais, ligue (14) 3372-0631 e no telefone de plantão 24 horas (14) 99747-0154.

 

 

Parada cardiorrespiratória: Conheça mais sobre o evento súbito que causou a morte de Maradona

VER NOTÍCIA

Covid 19: Santa Cruz ultrapassa mil casos positivos

VER NOTÍCIA

Vendedora de 46 anos é a oitava vitima fatal da Covid-19 em Santa Cruz do Rio Pardo

VER NOTÍCIA