Revista

Conciliadores e mediadores realizam protesto em Santa Cruz

 

 

Os conciliadores e mediadores de Santa Cruz do Rio Pardo, que atuam no Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (CEJUSC) do Tribunal de Justiça de São Paulo, realizaram um protesto no final da tarde de sexta-feira (30).

Os profissionais (advogados e psicólogos) cobram uma resposta da autoridades em relação aos valores de ajusta de custo que eles tem direito por lei a receber, e não estão recebendo.

Cartazes exibidos durante a manifestação

 

“Nós mediadores e conciliadores estamos revindicando que as autoridades cumpram a lei Federal que diz que os tribunais terão que remunerar os mediadores e conciliadores. Hoje, no Brasil, em regra, quem entra com um processo o juiz designa para que antes haja um diálogo entre as partes no Cejusc,  onde nos acolhemos essas pessoas e as auxiliamos para que ambas dialoguem e cheguem a um consenso. Nós mediadores e conciliadores somos imparciais, os assuntos são todos mantidos em sigilo. Contribuímos com o judiciário para que os processos diminuam, mais de 80% de acordos ocorrem nos Cejuscs do Estado de SP., aqui em Santa Cruz acredito que beira aos 70%” disse Patrik Harada, um dos participantes da manifestação.

Harada continuou “O governador em 2015 elaborou um projeto de lei estadual , aprovou e depois vetou a remuneração, Geraldo Alckmin disse que não cabe ao governo remunerar e o Tribunal de Justiça por sua vez disse que não tem previsão orçamentária, enquanto isso Paraná, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais dentre outros Estados todos remuneram os conciliadores e mediadores”.

A manifestação da última sexta-feira também ocorreu em praticamente todo o estado de São Paulo.

 

Manifestantes gravaram um vídeo que será enviado ao Tribunal de Justiça de SP

 

 

 

 

Com 12 internações nas últimas horas, comércio em Santa Cruz fecha por sete dias

VER NOTÍCIA

Santa Cruz recebe prêmio do governo em projeto da saúde

VER NOTÍCIA

Eleições em Santa Cruz: Diego foi eleito com 14.909 votos (64,28%)

VER NOTÍCIA