Revista

Mamografia de alta resolução, fundamental no preventivo das mamas

 

 

A mamografia de alta resolução é um exame radiológico, parte fundamental do que se poderia chamar de “preventivo das mamas”. Em pacientes acima de 40 anos, até os dias de hoje, é o que se tem de melhor para detectar alterações que não são perceptíveis clinicamente nem por outros exames, inclusive a ressonância magnética. O SDI- Setor de Diagnóstico por Imagem da Santa Casa conta com o exame.

Além da mamografia, outros exames compõem a prevenção da mama. São o exame clínico que sempre deve ser feito pelo ginecologista ou mastologista, a cada 6 – 12 meses e o auto-exame das mamas que deve ser realizado mensalmente.

De acordo com o médico radiologista do SDIA, Bruno Oliveira, a mamografia de alta resolução é o que se tem de melhor para detecção precoce do câncer mamário. No entanto, ela, como qualquer outro exame, tem as suas limitações, por isso é necessária a realização dos demais exames. “Por exemplo, nas mulheres com mamas densas, um nódulo pode ficar oculto na mamografia”, explica.

As mamas densas são aquelas que têm muito tecido glandular, responsável pela produção do leite materno. O tecido glandular aparece como áreas mais claras na mamografia de alta resolução. Um nódulo também tem tonalidade mais clara e, dessa maneira pode ficar oculto pelo próprio tecido mamário normal.

“É importante ressaltar que o fato de a mulher ter mamas densas não é sinal de anormalidade. É apenas um dos aspectos normais que as mamas podem apresentar na mamografia”, alerta Bruno.

“Sendo assim, a mamografia é útil em pacientes com mamas densas, pois mesmo em mamas densas, existem outras alterações, até mesmo mais importantes do que nódulos em relação de diagnóstico precoce do câncer mamário, que somente a mamografia pode mostrar”, completa.

Nenhum outro exame é capaz de mostrar essas outras alterações, nem mesmo a ressonância magnética.

O médico atenta ainda para importância de guardar as mamografias antigas. O exame de mamografia precisa ser realizado e laudado com cautela e à comparação com exames anteriores tem papel fundamental na produção do laudo do exame atual. “Geralmente, um nódulo começa apenas como uma pequena área de maior densidade no parênquima mamário totalmente indistinguível de uma área de tecido glandular normal. A única forma de se perceber essas pequenas alterações é a comparação com mamografias anteriores. Dessa forma, as mamografias antigas são uma arma valiosa que podem beneficiá-la. Sempre guarde suas mamografias, mesmo que tenham resultado normal e ainda guarde-as onde seja fácil achar”.

Segundo, o médico, a ultrassonografia não é mais eficiente em relação à mamografia. “Apesar de mais confortável e aparentemente mais sofisticada, a ultrassonografia não detecta uma série de alterações visíveis na mamografia e é na maioria das situações um complemento daquela, jamais a substituindo como exame preventivo”.

Em caso de dúvidas ou para agendamento no SDI, o telefone é (14) 3332-1222, no ramal 204, das 7h às 18h.

 

 

Covid-19: sete internações só no final de semana em Santa Cruz

VER NOTÍCIA

Covid-19 em Santa Cruz: 808 casos positivos e 786 pessoas curadas

VER NOTÍCIA

Depois de três meses Santa Cruz registra caso positivo de dengue

VER NOTÍCIA