Revista

Santa Cruz realiza Semana Municipal de Combate e Prevenção do Câncer do Intestino

 

 

Nesta semana, de 25 a 29 de Setembro está sendo realizado pela Prefeitura Municipal de Santa Cruz do Rio Pardo junto a Secretaria Municipal de Saúde a Semana Municipal de Prevenção de Câncer do Intestino.

Conhecido como Setembro Verde, o mês é dedicado à prevenção contra um dos tipos de câncer mais comuns na população: o de intestino.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), são esperados, somente para este ano, 17.620 novos casos de câncer de cólon e reto em mulheres e 16.660 em homens. Ainda conforme o órgão, a doença colorretal é a segunda mais frequente nas mulheres (após mama) e o terceiro nos homens (após próstata e pulmão).

Em 2017 foram registrados 34,2 mil casos decorrentes dessa patologia no Brasil. Em 2013, 15,4 mil mortes foram relacionadas à anomalia. Para fazer com que esses números diminuam consideravelmente, conscientizar a sociedade do risco do mau hábito alimentar é o principal caminho, garantem especialistas.

Uma alimentação muito rica em gordura animal, carne vermelha e o excesso na ingestão de alimentos processados, são fatores alimentares que influenciam o aparecimento desse tipo de câncer.

Prevenção: Para se precaver dessa doença, os chamados bons hábitos de vida devem ser levados a sério. “O que, de fato, ajuda as pessoas a não ter o câncer de intestino é uma alimentação saudável, rica em fibras, frutas, legumes e verduras, aliada à prática de exercícios físicos regulares. Outros fatores de risco são a obesidade, o sedentarismo, o tabagismo e o uso exagerado de bebida alcoólica”. Nós temos duas formas distintas da doença. A primeira, que representa a grande maioria dos casos, cerca de 85%, é chamada de câncer esporádico, que aparece sem uma causa definida. Já a outra registra algo em torno de 10% a 15% dos casos e está ligada a fatores genéticos.

 

Diagnóstico: O câncer de intestino surge a partir de uma pequena verruga localizada na mucosa do intestino. Ela demora alguns anos para se desenvolver, o que torna possível diagnosticá-lo antes que se torne maligno. “Um diagnóstico realizado de maneira precoce representa mais de 90% de chances de cura. Por isso, é importante que as pessoas realizem os exames preventivos”.

O exame para detecção da doença é chamado colonoscopia. Esse procedimento é feito por meio de uma sonda de fibra ótica que faz uma filmagem do intestino. A prática é recomendada para pessoas a partir dos 50 anos de idade, desde de que não se tenha histórico da patologia na família. Caso contrário, o ideal é realizar o procedimento a partir dos 40 anos.

Sintomas: Sangramento nas fezes (fezes de coloração escurecida, dor abdominal e cólica continua, alteração do ritmo intestinal, sensação de peso ou dor na região anal, mesmo após evacuar, cansaço frequente, análises de sangue com presença de anemia e perda de peso sem razão aparente.

 

A prefeitura convida toda a população para participar de PALESTRA, referente ao tema citado, com Dr. Carlos Mikio Tanno, no Centro de Saúde II ´´Dr. José Carqueijo´´ (Postão), localizado na Avenida Tiradentes, nº 934, Centro, que será realizada na sexta-seira (29 de setembro)  às 10 horas.

 

 

Covid-19: sete internações só no final de semana em Santa Cruz

VER NOTÍCIA

Covid-19 em Santa Cruz: 808 casos positivos e 786 pessoas curadas

VER NOTÍCIA

Depois de três meses Santa Cruz registra caso positivo de dengue

VER NOTÍCIA