Saúde

Saiba como lidar com idosos com doenças neurológicas nas tarefas básicas do dia a dia

 

 

Trabalho conjunto entre enfermagem, familiares e o médico do paciente é fundamental

 

O relacionamento com pacientes com doenças neurológicas é sempre complicado para a família, que tenta a todo custo encontrar uma maneira de se comunicar com o mesmo sem entrar em conflito.

O mais difícil para quem convive perto de quem tem a doença são os momentos de irritação, que podem até gerar situações de agressões verbais e físicas. Em um bate-papo com a equipe da AleNeto Enfermagem, o médico Márcio Balthazar, coordenador do Departamento Cientifíco  de Neurologia Cognitiva e do Envelhecimento da Academia Brasileira de Neurologia (ABN), orienta a família como se posicionar nestes casos.

“Primeiro é importante identificar o fator causador da irritação. Às vezes, a forma como a família se comunica, se expressa, o tom de voz usado, isso pode enervar o paciente”, avalia o especialista.

A regra número 1 é “não entrar em briga”. Para algumas pessoas isso é complicado, porque esses doentes tendem a se recusar a fazer tarefas importantes, como, por exemplo, tomar banho ou fazer atividades físicas.

“A atividade física, sem dúvida, será bom ao paciente, Mas, dependendo do estágio da doença, é importante verificar a relação custo-benefício. Forçá-lo a fazer uma caminhada será realmente algo positivo diante de tanto estresse e desgaste para conseguir executar tal tarefa? Provavelmente, não”, afirma Márcio.

É comum também a família levantar a suspeita e não aceitar o fato de os pacientes muitas vezes “criarem” um mundo diferente e distorcerem informações e situações. “Ele vive uma realidade diferente. E não é que esteja inventando. De fato, a realidade que vale é a dele”.

Outra dica importante é: não trate o paciente como criança e sempre o eleve a uma posição de importância. “Na hora do banho, por exemplo, já deixe tudo pronto no banheiro e sugira a ele o banho, não force nada. Diga assim: “as coisas para seu banho já estão prontas”. Na hora de sair de casa, diga que precisa de companhia e que as pessoas de determinado lugar querem vê-la. Essas ações ajudam bastante”, reforça o especialista da Academia Brasileira de Neurologia.

A AleNeto Enfermagem, que atua em Santa Cruz do Rio Pardo, Ourinhos e região, tem uma equipe experiente nos cuidados com pessoas com doenças neurológicas. Para saber mais sobre o assunto e conhecer de perto o trabalho da empresa, ligue (14) 3372-0631 e no telefone de plantão 24 horas (14) 99747-0154 ou faça uma visita no consultório que fica na Avenida Batista Botelho, 418, sala 4.

 

 

Covid-19: sete internações só no final de semana em Santa Cruz

VER NOTÍCIA

Covid-19 em Santa Cruz: 808 casos positivos e 786 pessoas curadas

VER NOTÍCIA

Depois de três meses Santa Cruz registra caso positivo de dengue

VER NOTÍCIA