Saúde

Os riscos de a família assumir os cuidados com o paciente

 

 

Sem saber, familiares estão prejudicando a própria saúde e, pior, não promovendo a assistência adequada ao doente

 

A primeira atitude de uma família que se depara com uma pessoa doente dentro de casa é assumir todos os cuidados com esse paciente. E aqui acontece um erro crasso.

Com raras exceções, quando um familiar protagoniza esse difícil papel, o mesmo acaba sofrendo uma série de pressões e consequências deste trabalho e, sem nenhuma intenção, sensibilidade e percepção, não consegue proporcionar ao paciente uma assistência domiciliar adequada.

Um artigo dos especialistas Ciro Augusto Floriani e Fermin Roland Schramm, publicado pela Fundação Oswaldo Cruz, destaca exatamente essa dificuldade: “Já está bem estabelecido o perfil do cuidador informal de idosos: costuma ser do sexo feminino, filha ou esposa (muitas vezes idosa) que, com frequência, divide esta atividade com seus afazeres diários. Além disso, sabe-se que em algum momento esse cuidador pode ter problemas com seu emprego ou mesmo perdê-lo. Podemos imaginar o ônus desta árdua e desgastante tarefa, forjada numa repetitividade diária incessante, muitas vezes durante anos, com sobrecarga de atividades no seu cotidiano, sendo quase sempre uma atividade solitária e sem descanso, que pode levá-lo a um isolamento afetivo e social”.

Os especialistas continuam: “O cuidador informal (familiar) pode interpretar erroneamente, na continuidade repetitiva dos cuidados diários, que a inabilidade de um idoso em fazer algo seja igual à incapacidade dele tomar decisões. Com isso, pode impor seu modo de realizar as atividades, não ouvindo os desejos e anseios legítimos do idoso, com erosão da autonomia deste e acentuação de um modelo paternalista de cuidados. Neste sentido, abusos de poder por parte do cuidador têm sido relatados, tais como agressões, impaciência e ressentimento.”

A melhor maneira de se garantir uma assistência adequada é profissionalizá-la. Além de uma enorme tranquilidade em relação a gestão dos cuidados e uma qualidade comprovada, evita-se que um familiar misture os papéis e funções. “É claro que a participação da família é fundamental na assistência domiciliar. Mas como familiar, com carinho, afeto, momentos descontraídos e prazerosos. Não com a rotina, pesada e difícil para quem não é da área”, afirma Nayara Moreno, gerente de enfermagem da AleNeto.

A AleNeto Enfermagem, que atua em Santa Cruz do Rio Pardo, Ourinhos e região, e recentemente abriu novas equipes em São Paulo e Santos, oferece plantões completos de enfermagem e cuidador de idosos. Para saber mais sobre o assunto e conhecer de perto o trabalho da empresa, ligue (14) 3372-0631 e no telefone de plantão 24 horas (14) 99747-0154 ou faça uma visita no consultório que fica na Avenida Batista Botelho, 418, sala 4.

 

 

Santa Casa adquire três novos respiradores para UTI

VER NOTÍCIA

Idoso não precisa ser turrão só porque é idoso

VER NOTÍCIA

Santa Casa de Santa Cruz adere a campanha contra a violência à mulher

VER NOTÍCIA