Saúde

Até que ponto o idoso pode decidir sobre sua própria vida?

 

 

Autonomia precisa ser garantida, mas levando em consideração suas condições físicas e psicológicas

 

Um idoso que não quer se submeter a nenhum tratamento médico ou que não aceita a presença de cuidadores para auxiliarem no seu dia a dia gera uma série de discussões e debates entre os familiares.

E, neste caso, como proceder? Primeiro é importante levar em consideração a saúde deste paciente. Se ele não tiver nenhuma doença neurológica ou psiquiátrica, ou seja, quando ele não tem nenhum fator que diminua (ou até mesmo anule) sua capacidade cognitiva, de compreensão e discernimento, ele tem todo o direito de tomar  decisões sobre seu corpo e seu futuro. Isso, inclusive, é previsto no Estatuto do Idoso.

Porém, muitas famílias sabem que as decisões tomadas pelo idoso e sua “teimosia” colocam em risco sua própria integridade física, como, por exemplo, quando este tem riscos de sofrer quedas se não for auxiliado por um cuidador na hora de fazer tarefas básicas e simples do dia a dia.

“A família precisa convencer este idoso a aceitar determinada situação. Muitas vezes, aquilo que é entendido como teimosia na verdade é uma resposta a falta de afeto e paciência por parte dos familiares. A conversa não deve ser em tom imperativo. E sim criar um diálogo onde fique claro que é o idoso que vai dominar as situações. O tratamento médico e o cuidador de idoso, por exemplo, devem ser mostrados a ele como situações que vão lhe prolongar e garantir a autonomia”, fala Nayara Moreno, a enfermeira chefe da AleNeto Enfermagem.

No caso do idoso não ter mais garantido o bom funcionamento do cérebro ou da parte física, por conta de alguma doença, a decisão sobre os cuidados precisa do apoio dos familiares e de especialistas da medicina e da enfermagem.

“Uma família que deixa um idoso incapacitado tomar decisões equivocadas, que colocam a própria saúde e integridade física em risco, também precisa se responsabilizar depois pelos danos que isso pode causar”, diz Alexandre Moreno, diretor da AleNeto Enfermagem.

A AleNeto Enfermagem, que atua na região de Ourinhos e Santa Cruz do Rio Pardo, São Paulo e Santos tem profissionais preparados para auxiliar a família em ambos os casos citados acima, com equipes de cuidadores de idosos e de enfermagem para plantões completos em domicílio. Para saber mais sobre o assunto e conhecer de perto o trabalho da empresa, ligue (14) 3372-0631 e no telefone de plantão 24 horas (14) 99747-0154 ou faça uma visita no consultório que fica na Avenida Batista Botelho, 418, sala 4.

 

 

Covid-19: sete internações só no final de semana em Santa Cruz

VER NOTÍCIA

Covid-19 em Santa Cruz: 808 casos positivos e 786 pessoas curadas

VER NOTÍCIA

Depois de três meses Santa Cruz registra caso positivo de dengue

VER NOTÍCIA