Policial

CART recolhe 11 toneladas de lixo por mês nas rodovias

 

 

Oitenta por cento dos materiais são recicláveis; Concessionária alerta que descarte irregular pode configurar crime ambiental

 

A quantidade de lixo que as equipes de limpeza da CART – Concessionária Auto Raposo Tavares, uma empresa do grupo Invepar, recolheu entre janeiro e setembro deste ano às margens das rodovias que administra equivale a sete caçambas de caminhões pesados repletas de resíduos sólidos. São 11,2 toneladas em média por mês, segundo levantamento feito pelo Centro de Controle de Operações – CCO.

Agosto foi o mês recorde na somatória de material coletado no eixo principal, formado pela SP-225 – Rodovia João Baptista Cabral Rennó, SP-327 – Orlando Quagliato, SP-270 – Raposo Tavares e acessos, entre Bauru e Presidente Epitácio. Foram mais de 29 toneladas – 30% do total.

Lixos recicláveis representam 80% do conteúdo descartado irregularmente na rodovia – são 9 toneladas por mês de plástico, garrafas PET, latas de refrigerantes, papel, papelão, recipientes de vidros e sacolas. Este material é destinado a cooperativas de reciclagem de cidades do trecho.

Para a segurança dos motoristas e preservação do meio ambiente, as equipes de limpeza da CART atuam com equipamento de capina de vegetação, pás, além de caminhões varredores e de transporte de ferramentas. “Conservar a rodovia ainda mais limpa exige a colaboração de todos. A orientação é que o motorista leve sacolas plásticas para depositar seu lixo no interior do veículo e descartá-lo adequadamente na próxima parada. As 12 bases do Serviço de Atendimento ao Usuário [SAUs] possuem lixeiras para material orgânico e reciclável e são uma alternativa para o descarte nas paradas para descanso rápido ou para solicitar informações”, menciona Luis Santos, Gerente de Operações da CART.

Impacto ambiental

A presença de detritos na malha viária pode provocar acidentes e também danos ambientais. Com as chuvas, o lixo é levado pela enxurrada para os rios. Animais silvestres e domésticos que habitam às margens da rodovia nas áreas de vegetação são atraídos para a pista e há o risco de atropelamento, que oferece ainda perigo aos ocupantes dos veículos. “Nosso apelo se estende também às pessoas que habitam às margens das rodovias, que façam o descarte correto e utilizem o serviço de coleta pública de seu município”, frisa Santos.

Descartar lixo irregularmente na faixa de domínio configura prática de crime ambiental, conforme a Lei Federal nº 9.605/1998. A pena pode chegar a quatro anos de reclusão, além de multa que parte de R$ 50 e pode chegar a R$ 50 milhões. Denúncias podem ser feitas à Polícia Ambiental, pelo telefone 190.

 

 

 

 

Mulher que abandonou bebê para comprar drogas é liberada após audiência de custódia

VER NOTÍCIA

Bebê de dois meses é encontrado abandonado, mãe foi presa

VER NOTÍCIA

Menina de 8 anos sofre abuso sexual em abrigo de Santa Cruz

VER NOTÍCIA