Região

MP de Ourinhos não confirma orientação para volta de missas e bispo volta atrás

 

 

O Promotor de Justiça, Adelino Lorenzetti Neto (foto), disse que conversou com o bispo da Diocese de Ourinhos, Dom Salvador Paruzzo

 

A Diocese de Ourinhos divulgou uma nota nesta quarta-feira (20) informando sobre a volta das missas no próximo final de semana.

O documento dizia que seguindo as orientações de outras dioceses, o parecer do Promotor Adelino Lorenzetti Neto e do prefeito de Ourinhos, as missas voltariam, mas com todas as precauções devido a pandemia da Covid-19.

Porém, para a surpresa de todos, Adelino Lorenzetti, enviou uma recomendação administrativa para a Diocese de Ourinhos dizendo ao contrário, para que as missas continuem suspensas.

Dr. Adelino divulgou um vídeo na manhã desta quinta-feira (21), onde contou que teve uma conversa com Dom Salvador e o bispo reconsiderou a sua decisão.

“Estive agora pouco com o bispo Dom Salvador, uma reunião extremamente republicana, ele me recebeu muito bem, muito elegante e reconsiderou a decisão dele de abertura das igrejas da maneira que havia sido colocada na imprensa” comentou o promotor.

Veja abaixo o vídeo e o documento do promotor e também a nota divulgada pela Diocese de Ourinhos

 

Nota da Diocese de Ourinhos

 

 

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA

Ref: Procedimento Administrativo de Acompanhamento nº 104/2020.

 

               O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO, por seu órgão que esta subscreve, no exercício das atribuições que lhe são conferidas por lei, com fundamento no art. 127, caput, e art. 129, incisos II e III, da Constituição Federal; no art. 97, parágrafo único, da Constituição Estadual, no art. 25, inciso IV, da Lei nº 8.625/93; no art. 8º da Lei nº 7.347/85; e nos artigos 103, inciso VIII, e 104, incisos I e II, da Lei Complementar Estadual nº 734/93 e;

 

               CONSIDERANDO que incumbe ao Ministério Público “a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis” (art. 127, caput, da CF/88, e art. 1º, da LC nº 75/1993);

 

               CONSIDERANDO que entre os instrumentos de atuação do Ministério Público para cumprimento de sua missão institucional, compete-lhe “expedir recomendações, visando à melhoria dos serviços públicos e de relevância cabe promover, fixando prazo razoável para a adoção das providências cabíveis” (art. 129, III, da CF/88, e art. 6º, VII e XX, da LC nº 75/93);

 

               CONSIDERANDO que a defesa dos direitos constitucionais do cidadão visa à garantia do seu efetivo respeito pelos Poderes Públicos e pelos prestadores de serviços de relevância pública, cabendo ao Ministério Público notificar o responsável para que tome as providências necessárias a prevenir a repetição e fazer cessar o desrespeito verificado, bem como promover a responsabilidade pela ação ou omissão inconstitucionais (art. 11 a 14, LC nº 75/93);

 

               CONSIDERANDO as orientações expedidas pela ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE quanto ao COVID-19, entre as quais estão destacadas a declaração de pandemia e medidas essenciais relativas à prevenção;

 

               CONSIDERANDO que a alta escalabilidade viral do COVID-19, exigente de infraestrutura hospitalar (pública ou privada) adequada, com leitos suficientes e composta com aparelhos respiradores em quantidade superior à população em eventual contágio, o que está fora da realidade de qualquer centro médico deste Estado;

 

               CONSIDERANDO as demais recomendações já expedidas pelo Estado de São Paulo e pelos Municípios de Ourinhos e Salto Grande, inclusive de suspensão de aulas na rede pública, dentre outras atividades;

 

               RESOLVE, com fundamento nos artigos 37, caput, 127, caput, 129, II e III, e 225, todos da Constituição; e 103, VII, e 113, §1º, da Lei Complementar Estadual nº 734/93; Decreto Estadual nº 64.881/20 e Decreto Municipal nº 7.249/20 de Ourinhos, Decretos Municipais nº 2.146/20 e 2.167/20 de Salto Grande expedir:

 

               RECOMENDAÇÃO

 

  • Destinatário:

 

Dom Salvador Paruzzo, Bispo da Diocese de Ourinhos

 

  • Objeto:

 

               Deve o destinatário abster-se de realizar ou determinar a realização de atividades religiosas que envolvam a aglomeração de pessoas, inclusive missas, cultos e demais atividades correlatas, ainda que em locais abertos, sob pena de responsabilidades civil, criminal e administrativa.

 

               Informo Vossa Excelência, ainda, que em que pese a existência do Decreto Federal nº 10.292/20 que classifica  a atividade religiosa como essencial, a autorização para o retorno de tais atividades compete ao Estado de São Paulo e dos municípios, os quais não classificaram a atividade religiosa como essencial.

 

                 Destaco, ainda, que esse entendimento foi sedimentado pelo Supremo Tribunal Federal n ADInº 6341/2020 que os Municípios e os Estados possuem ampla autonomia para determinar as medidas sanitárias necessárias o enfrentamento da pandemia de COVID-19, conforme abaixo transcrito:

 

Decisão: O Tribunal, por maioria, referendou a medida cautelar deferida pelo Ministro Marco Aurélio (Relator), acrescida de interpretação conforme à Constituição ao § 9º do art. 3º da Lei nº 13.979, a fim de explicitar que, preservada a atribuição de cada esfera de governo, nos termos do inciso I do art. 198 da Constituição, o Presidente da República poderá dispor, mediante decreto, sobre os serviços públicos e atividades essenciais, vencidos, neste ponto, o Ministro Relator e o Ministro Dias Toffoli (Presidente), e, em parte, quanto à interpretação conforme à letra b do inciso VI do art. 3º, os Ministros Alexandre de Moraes e Luiz Fux. Redigirá o acórdão o Ministro Edson Fachin. Falaram: pelo requerente, o Dr. Lucas de Castro Rivas; pelo amicus curiae Federação Brasileira de Telecomunicações – FEBRATEL, o Dr. Felipe Monnerat Solon de Pontes Rodrigues; pelo interessado, o Ministro André Luiz de Almeida Mendonça, Advogado-Geral da União; e, pela Procuradoria-Geral da República, o Dr. Antônio Augusto Brandão de Aras, Procurador-Geral da República. Afirmou suspeição o Ministro Roberto Barroso. Ausente, justificadamente, o Ministro Celso de Mello. Plenário, 15.04.2020 (Sessão realizada inteiramente por videoconferência – Resolução 672/2020/STF).

 

  • Consequências jurídicas do não atendimento da Recomendação

 

                   Consoante o afirmado acima, o não atendimento da presente Recomendação poderá ensejar o ajuizamento de ação civil pública pelo Ministério Público para que o Poder Judiciário obrigue Vossa Excelência de se abster dos comportamentos acima mencionados, sem prejuízo de eventual ação de responsabilização civil, administrativa e criminal em consequência da exposição das pessoas ao COVID-19.

Ourinhos, 20 de maio de 2020.

 

  Adelino Lorenzetti Neto

                   2º Promotor de Justiça de Ourinhos

 

 

Assembleia aprova projeto de Ricardo Madalena que obriga divulgar localização de radares

VER NOTÍCIA

Prefeitura de Santa Cruz investe meio milhão de reais em implantação de led

VER NOTÍCIA

Recuperação da Raposo Tavares tem previsão para ser concluída até dezembro

VER NOTÍCIA