Revista

Lei que protege dados pessoais entra em vigor

 

Publicidade

 

A partir de agora, empresas e órgãos públicos precisarão de permissão para usar informações de clientes e usuários

 

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) entrou em vigor na sexta-feira passada (18) com o objetivo principal de proteger os dados pessoais dos cidadãos. A partir de agora, empresas e órgãos públicos terão de redobrar a atenção sobre a coleta, gestão e armazenamento dos dados de clientes e usuários. Quem compartilhar informações de terceiros sem autorização estará sujeito a multas pesadas. As punições podem chegar a até 2% do faturamento de empresas ou até o limite de R$ 50 milhões.

No entanto, neste primeiro momento, haverá apenas advertência para quem não cumprir as novas determinações. A aplicação das penalidades começará somente em agosto de 2021, ou seja, as empresas e órgãos públicos terão um prazo de quase um ano para se adaptarem às novas regras.

“Apesar deste prazo, é necessário que os empresários e gestores públicos façam, o quanto antes, uma adequação à LGPD, revisite todos seus documentos, sua estrutura tecnológica e, principalmente, capacite e treine todo seu pessoal para atuar de acordo com o que determina a lei”, orienta o advogado Leonardo de Góes Almeida (foto), especialista em Direito Digital e Penal, do escritório Maia Sociedade de Advogados.

Aos titulares dos dados, sejam eles consumidores, clientes, empregados, enfim, qualquer pessoa física, a lei estabelece que esses deverão ser informados de maneira bem transparente como seus dados serão tratados a partir de agora. “Toda e qualquer coleta de dados deverá ser plenamente justificada. Em tese, aqueles cadastros e formulários que pedem todo tipo de informação da pessoa deverão diminuir”, afirma o advogado.

Com a entrada da lei em vigor, está proibido o repasse do nome, telefone, endereço de e-mail e outras informações pessoais armazenados nos bancos de dados das empresas e órgãos públicos para terceiros para que estes entrem em contato tentando vender produtos e serviços. Isso só poderá acontecer, a partir de agora, mediante autorização dos titulares dos dados.

Há algumas situações específicas em que o repasse será permitido sem consentimento como, por exemplo, para atender decisão judicial, campanhas de interesse público, como vacinação, e para fins de segurança pública ou do Estado, entre outras. A Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) será o órgão responsável por fiscalizar e fazer respeitar as normas previstas na LGPD.

 

 

ACE lança campanha de Natal 2020 ‘A sorte está com você’

VER NOTÍCIA

Próximo sorteio do aplicativo da ACE Santa Cruz será no dia 9 de novembro

VER NOTÍCIA

Special Dog Company se compromete a ter 30% de mulheres em cargos de alta liderança até 2025

VER NOTÍCIA