Revista

Queda de idosos traz problemas físicos e psicológicos

 

 

Segundo dados do DATASUS, 55% das mortes de idosos em hospitais são por conta de quedas. 

 

Uma das principais preocupações da saúde pública em relação ao idoso é o risco de queda nesta faixa etária, que aumenta significativamente pela fragilidade física e por doenças que comprometem a força muscular e o sentido de orientação.

A queda em pessoas com mais de 60 anos traz graves consequências físicas e também psicológicas. De acordo com o Ministério da Saúde, o número de internações de idosos em razão de fraturas do fêmur, causadas principalmente por quedas, cresceu 37% entre 2000 e 2007, em um dos estudos mais recentes sobre o tema.

Uma fratura de fêmur obriga a pessoa a ficar acamada por um longo período e, muitas vezes, aliada a outros fatores clínicos do paciente e à idade do mesmo, até impede que ele volte a andar.

Acidentes como esse também são responsáveis por fraturas de braço, pulso e lesões na cabeça.

Cerca de 30% das pessoas idosas caem a cada ano. Essa taxa aumenta para 40% entre os idosos com mais de 80 anos. No Brasil, segundo os dados do Projeto Diretrizes/SBGG (Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia) de 2008, 28 a 38% das pessoas com mais de 65 anos, 32 a 42% de pessoas com mais de 75 anos e 51% de pessoas acima de 85 anos sofrem quedas. Segundo dados do DATASUS, em 2004, a taxa de mortalidade hospitalar nas pessoas idosas por queda foi 55%.

O lado psicológico do paciente também fica muito afetado. “A queda e a consequente imobilização de um membro ou até mesmo o fato de levar o paciente para a cama força a ele a lembrança que está ficando velho e não tem mais a vitalidade de antes, ocasionando, muitas vezes, o quadro de depressão”, alerta a gerente de enfermagem da AleNeto Enfermagem, Nayara Moreno.

Em alguns casos extremos, o idoso se recupera fisicamente da lesão, mas as marcas da depressão ficam.

Pequenos cuidados na casa, como a colocação de tapetes antiderrapantes, barras de apoio no banheiro e troca de degraus por rampas em ambientes externos da residência ajudam no trabalho de prevenção. “Em alguns casos, porém, isso não basta. É preciso uma vigilância e um apoio constante para o idoso, por um familiar ou por um profissional”, orienta Nayara Moreno.

A AleNeto Enfermagem trabalha na prevenção de acidentes oferece o serviço de cuidador de idoso em Santa Cruz do Rio Pardo e região.

 

 

Covid-19: Batman participa do primeiro dia de vacinação para as crianças em Santa Cruz

VER NOTÍCIA

Mesmo se não apresentar sintomas, imunizado que teve contato com pessoa com Covid tem de ficar em casa

VER NOTÍCIA

Dezembro Laranja: Sol não é o único vilão do câncer de pele

VER NOTÍCIA