Política

Pílula do câncer é testada em humanos na Universidade Federal do Ceará

 

 

O deputado Ricardo Madalena (foto) é um dos grandes defensores da pílula

 

(COM G1)

 

A Universidade Federal do Ceará (UFC) começou nesta segunda-feira (17) os primeiros testes da chamada pílula do câncer em seres humanos. Ao todos, 64 voluntários vão participar do experimento, realizado pela primeira vez no Brasil.

PIONEIRISMO

O deputado estadual Ricardo Madalena é o pioneiro no Estado de São Paulo na luta pelos testes em humanos com a  Fosfoetanolamina sintética. Ele foi o relator da CPI da Fosfoetanolamina na Assembleia Legislativa, que durou seis meses, sendo concluída em abril de 2018, e que revelou que os testes feitos pelo ICESP (instituto do Câncer do Estado de São Paulo) apresentava graves irregularidades e não seguiu as normas da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). O relatório final da CPI foi encaminhado ao Ministério Público. Em março deste ano, Madalena solicitou uma agenda com o presidente Jair Bolsonaro, que também apoia os testes com a substância.

PESQUISA

O objetivo da pesquisa com a Fosfoetanolamina sintética, segundo o diretor do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM), Prof. Odorico de Moraes, é observar qual a dosagem máxima do tratamento, verificar possíveis efeitos colaterais, além de realizar o estudo farmacocinético, ou seja, analisar em quanto tempo o fármaco é absorvido pelo corpo e quanto tempo continua circulando pelo organismo.

Todos os voluntários são sadios, entre 18 e 50 anos. Eles foram divididos em quatro grupos e cada um será acompanhado por 15 dias. As 12 primeiras pessoas receberam 500 miligramas do substância, a dosagem inicial do teste. Os outros passarão por dosagens maiores, com um máximo de três gramas. A próxima etapa, com um novo grupo, deve iniciar no começo de julho.

“Aqui encerramos nossa parte nos estudos da Fase 1 com a Fosfoetanolamina sintética, para o qual fomos contratados”, informa o professor.

A coordenação dos estudos é da professora Elisabete Moraes, coordenadora do Centro de Pesquisa do NPDM. As próximas etapas dependem de novos recursos advindos do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, órgão financiador da pesquisa.

PÍLULA DO CÂNCER

Desde 2015 a UFC trabalha com a comissão nacional para realização de trabalhos pré-clínicos e clínicos sobre a Fosfoetanolamina sintética, principal agente da pílula do câncer. Estudos divulgados pela universidade em 2016 mostram a eficácia da substância sobre um dos tipos mais agressivos e resistentes a respostas do câncer de pele, o melanoma B16F10.

Administrando o fármaco em camundongos, foi possível conferir uma redução de 64% sobre o crescimento do tumor, um índice menor em relação aos verificados com o uso de outros agentes químicos em tratamento de câncer. Além disso, praticamente não houve o registro de efeitos colaterais significativos nos animais.

Os testes com a Fosfoetanolamina sintética já foram tema de discussão na Subcomissão de Fármacos da Câmara dos Deputados, com a presença dos pesquisadores da UFC. O grupo reiterou a importância de continuar a pesquisa em equipamentos públicos e de receber financiamento para exercer estudos para o desenvolvimento de fármacos.

 

Avança projeto de Ricardo Madalena para liberação de compra de vacinas com recursos das emendas parlamentares

VER NOTÍCIA

Prefeito de Santa Cruz visita Santa Casa de Ipaussu

VER NOTÍCIA

Saúde de Santa Cruz ganha ônibus moderno e com acessibilidade

VER NOTÍCIA