Sem categoria

Porque investir em Previdência Privada

 

Publicidade

 

Em um momento de incerteza econômica por conta da pandemia, é importante refletirmos sobre o nosso futuro

Sabemos que o sistema de previdência social( INSS) é obrigatório a sua contribuição para todos os trabalhadores  que fazem parte do sistema formal de emprego,  mas com a nova lei ( lei 13.183/15 abrange uma nova regra de cálculo de aposentadoria) os brasileiros terão que trabalhar mais tempo e quando aposentarem estarão sujeitos a aplicação do fator previdenciário, que faz com que a renda do trabalhador diminua quando ele se aposentar. É ai que entra previdência privada também conhecida como previdência complementar.

 O objetivo da previdência privada é manter o padrão de vida durante a aposentadoria visto que o fator previdenciário na hora da aposentadoria como já mencionado reduz o valor que o aposentado irá receber mensalmente comparado ao rendimento do trabalho.

Atualmente há duas modalidades de previdência privada: PGBL e VGBL. Independente da modalidade a previdência privada é um investimento de longo prazo. Funciona como uma aplicação financeira comum.  O contratante deve procurar um banco ou uma seguradora e realizar o investimento da forma mais adequada.

Bancos e seguradoras  fazem simulação de plano de previdência privada. Por lá é possível descobrir a melhor opção de investimento, adequando; renda, valor a ser investido, tempo de investimento entre outros parâmetros. A caixa seguradora oferece uma plataforma interessante. Vale à pena conferir no link abaixo.

 https://www.caixaseguradora.com.br/SimuladorPrevidencia/index-backup-2019.html

IMPACTO DO IMPOSTO DE RENDA SOBRE A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

Como já mencionado existe duas modalidades de previdência privada: PGBL e VGBL.

PGBL Plano Gerador de Benefício livre. Nessa modalidade as contribuições em determinado ano podem ser deduzidas da base de cálculo de IR da declaração anual da pessoa física, observando o limite de 12% de renda bruta anual tributável. Isso significa que se o investidor teve um rendimento tributável de R$ 54 mil em 2020 ele poderá deduzir R$ 6.480 no imposto de renda o que equivale aos 12%. Em resumo o PGBL é indicado para pessoas que fazem declaração de imposto de renda no formulário completo, ou seja, muitas despesas a deduzir como dependentes, escolas particulares e plano de saúde.

  Outro ponto é que a cobrança do IR também se aplica no momento do resgate do beneficio. Também existem outros dois tipos de tributação: Compensável ou Definitiva, que devem ser definidas no momento da escolha do plano.

  Tributação definitiva: A tributação varia conforme o tempo de contribuição (Tabela 1). Um exemplo: Após 15 anos um correntista de um banco possui um montante de R$ 50 mil investido em previdência privada. Nesse caso o IR vai incidir sobre o total na hora do resgate gerando uma alíquota de 10% sobre o montante. Ou seja, um imposto de R$ 5 mil. Quanto mais tempo o recurso ficar aplicado menor será o imposto de renda.  

 Regime de tributação compensável: Nesse regime haverá uma tributação de 15% independente do tempo da aplicação. Considerando o exemplo do tópico anterior um montante de R$ 50 mil o investidor ficará com um rendimento liquido de R$ 42.500 mil. Neste caso não é interessante optar pelo regime compensável.    

VGBL: Vida gerador de benefício livre. É um plano de previdência complementar semelhante ao  PGBL mas com tratamento tributário diferente. É destinado para quem tem poucas despesas a deduzir e declaram o imposto de renda no modelo simplificado. O VGBL não permite dedução da base de cálculo do imposto de renda. Sendo assim no recebimento do benefício ou resgate a alíquota do IR incidirá sobre a diferença entre valor aplicado e o montante acumulado durante o período de aplicação.

Exemplo: Um investidor que aplicou R$ 14mi e após 15 anos obteve um montante de R$ 50 mil só será tributado pela diferença, ou seja, R$ 36 mil

 Regime de tributação compensável: Usando o modelo de tributação compensável ( Aliquota  fixa)  e com o mesmo exemplo acima  o investidor estará sujeito a uma alíquota de 15% sobre  a diferença, o que representa R$ 5.400. 

Regime de tributação definitiva: Usando o modelo de tributação definitiva alíquota varia e com os mesmos parâmetro dos exemplos já citados, temos uma alíquota de 10% o que equivale a R$ 3,600. 

Como vimos à tributação compensável tem uma alíquota fixa em 15% o que vale a pena optar por essa tributação em investimentos com prazos inferiores a 10 anos de aplicação. Acima de 10 anos de aplicação a melhor opção de tributação é modelo definitivo que tem uma alíquota de 10%. Quanto optar por PGBL ou VGBL irá depender das despesas a serem deduzidas.  

Com a atual conjuntura econômica no Brasil destacamos que é de estrema importância investir em uma previdência complementar. Precisamos amplificar uma cultura para investir no futuro mesmo com as dificuldades de emprego e renda que o País enfrenta.

 

TIAGO ALBANO (foto)

Bacharel em Ciências Econômicas

Blog 👇🏾👇🏾

http://economiakb.blogspot.com/?m=1

 

 

 

Mercados, padarias e açougues poderão abrir no feriado de quinta-feira

VER NOTÍCIA

Sorteios do mês de maio já estão disponíveis no aplicativo da ACE

VER NOTÍCIA

Curso Converta suas vendas utilizando marketing de atração está com inscrições abertas

VER NOTÍCIA