Saúde

Tomei a 2.ª dose da vacina contra a Covid-19. Já posso relaxar?

 

 

Dra. Silvia Fonseca (foto) esclarece que precauções, que incluem uso de máscara e distanciamento social, devem ser mantidas inclusive após a segunda dose

Com o andamento da vacinação contra a Covid-19 no Brasil, surge a preocupação de quando a população estará imunizada. Se, por um lado, é positivo o fato de a cada dia aumentar a porcentagem da população que recebeu a primeira dose, por outro é preciso receber a segunda dose e esperar o tempo necessário para que o organismo desenvolva os anticorpos contra a doença. Mesmo depois da segunda dose é necessário manter distanciamento social, higienização das mãos e uso de álcool e máscara, afirma a médica infectologista Silvia Fonseca, diretora nacional de Infectologia do Sistema Hapvida.

Ela explica que a resposta imune após a vacina varia de pessoa para pessoa e de vacina. No caso da Coronavac, a vacina com a maioria das doses aplicadas no Brasil, a pessoa fica imune de desenvolver Covid-19 na forma grave, o que pode levar à morte, somente após 14 dias da segunda dose. “A chegada das vacinas contra a Covid-19 nos trouxe muita esperança. No caso da Coronavac, nos estudos que foram feitos, foi observado que ninguém do grupo de vacinados morreu nem desenvolveu a doença de forma muito grave. Entretanto, foi visto que uma porcentagem pequena das pessoas vacinadas desenvolveu a infecção com capacidade para transmitir o vírus. Então, a gente não pode bobear”, orienta Sílvia Fonseca.

Por isso, frisa, mesmo quem já foi vacinado com as duas doses deve seguir usando máscara, praticando o distanciamento social e as medidas de higienização. Relaxar mesmo somente quando a pandemia acabar. “Para combater a pandemia, precisamos de uma combinação de vacina, máscara, higienização das mãos e distanciamento social. E a máscara tem de cobrir toda a boca e nariz. Não vale máscara no queixo, pendurada na orelha ou no bolso”, completa a infectologista. E quando chegar sua vez, tome a vacina.

 

 

Dengue: atenção aos sinais

VER NOTÍCIA

Com surto em alta, Brasil chega em 4 meses ao mesmo patamar de casos de dengue de todo o ano passado

VER NOTÍCIA

Meus pais têm pressão alta. Eu também terei?

VER NOTÍCIA