Entretenimento Revista

Interrupção da Lei de Incentivo pode causar grave paralisação em projetos sociais em Santa Cruz

 

 

Projeto ensina instrumentos de corda aos jovens e adolescentes (foto)

 

A revogação dos incentivos fiscais do Estado de São Paulo, anunciada pelo Governo, no início desse ano é encarada com apreensão pelos membros da Orquestra de Câmara Santa Cruz e de outros projetos esportivos de cunho social de Santa Cruz do Rio Pardo, interior de São Paulo.

Com a suspensão, nos anos de 2021, 2022 e 2023 não serão disponibilizados recursos para serem destinados ao apoio financeiro do PAC – Programa de Ação Cultural do Estado de SP, assim como para o PIE – Programa de Incentivo ao Esporte.

O PROAC-ICMS, por meio do qual o Projeto Orquestra de Câmara funcionou até a sua quinta fase, com a captação de recursos advindos desse imposto das empresas, está dentro do PAC e o entendimento geral é que este é o fim dos incentivos fiscais.

Com isso o projeto que completa seis anos, em setembro deste ano, e atende crianças e adolescentes com aulas de instrumentos de corda, visando levar cultura e oferecer uma nova possibilidade principalmente aqueles que vivem em situação de vulnerabilidade, corre sério risco de ser interrompido.

Para a equipe da Orquestra de Câmara, a interrupção na lei de incentivos pode significar o fim da iniciativa, tendo em vista a perda da possibilidade de contar com o apoio de empresas que desde o início acreditaram no trabalho realizado pelo grupo.

 “Estamos apostando todas as nossas esperanças nos editais do ProAC que foi a ferramenta encontrada pela Secretaria de Estado da Cultura para fomentar e substituir o sistema que funcionava muito bem até então. No entanto, tendo em vista o número de inscrições notamos um colapso no sistema cultural”, pontua o José Magalli Junqueira, coordenador pedagógico e artístico do projeto.

Para se ter uma ideia, a concorrência na Modalidade 9 – Formação, capacitação, estudos e pesquisas, em que se encaixa a Orquestra, são 362 inscritos, uma concorrência de 90 projetos por vaga, apenas quatro projetos serão contemplados.

“O Governo justifica informando que a lei de incentivo foi substituída pela mesma quantia em recursos, no entanto, nesse momento o que temos é uma concorrência imensa e desta forma todo o trabalho empenhado com as empresas será perdido”, diz o maestro.

“Para o nosso projeto a parceria com as empresas é de extrema importância para continuidade das atividades. São muitos frutos desde o início do Projeto, com histórias de superação de jovens que encontraram na música um sentido maior para as suas vidas, evitando assim que esses seguissem por caminhos obscuros. Com a Orquestra fazemos a integração desse público com toda a sociedade através de nossos concertos, que deverão retornar em breve. Esperamos contar com maneiras justas de seguir firmes na execução dessa causa”, conclui o professor.

Por enquanto, os ensaios da Orquestra acontecem de forma presencial, no CRAS Betinha, no bairro São José.

Os ensaios de violino, viola, violoncelo e contrabaixo são realizados respeitando todas as regras de segurança e prevenção previstas nos protocolos sanitários.

A Associação Musical Santacruzense é a proponente dessa iniciativa, e está empenhada em difundir e democratizar o acesso à música instrumental por meio de apresentações a todos os públicos.

 

 

Aos 67 anos morre Crhystian, que formou dupla com Ralf

VER NOTÍCIA

Projeto Orquestra de Câmara está de casa nova

VER NOTÍCIA

Secretaria de Cultura de Santa Cruz realiza oficina de “Poesia na Prática”

VER NOTÍCIA