Saúde

Outubro Rosa: desinformação e negação da doença ainda são obstáculos

 

 

Mais de 66 mil mulheres foram acometidas pelo câncer de mama em 2020

Todos os anos a campanha Outubro Rosa ganha grande destaque na mídia para conscientizar mulheres sobre a importância da prevenção no combate ao câncer de mama. Mas, infelizmente, mesmo com tantas campanhas, a luta contra a doença sofre influência da desinformação e até mesmo da negação.

Segundo a doutora Ruana Magnani (foto), ginecologista do Sistema Hapvida, ainda existem muitas pessoas que não sabem que a prevenção é o melhor caminho para a cura da doença. A médica também salienta que algumas mulheres têm medo de descobrir o câncer. “Mesmo com tantas campanhas ainda temos pessoas que não sabem a importância de uma prevenção, que a doença pode ser diagnosticada e curada, se descoberta o quanto antes. Porém, temos também as pessoas que até sabem um pouco, mas preferem não se cuidar com o medo de achar algo, com isso fogem das rotinas médicas, o que piora muito o prognóstico caso venha um diagnóstico ruim”, afirma a profissional.

Por conta deste cenário, a divulgação e continuidade da campanha é fundamental para a saúde feminina. Somente em 2020, 66.280 mulheres foram acometidas pelo câncer de mama de acordo com dados do INCA – Instituto Nacional do Câncer. E a incidência da doença tem estado em curva ascendente, já que em 2019 foram registrados 59.700 casos, o que representa 51,29% dos casos por 100 mil mulheres. “É importante conscientizar todas as mulheres que ainda não têm a rotina de se cuidar, e a campanha serve também como um lembrete para as esquecidas. As mulheres indo às consultas periódicas são examinadas por profissionais, realizam os exames de rotina no período certo para ser logo diagnosticada caso tenha algo de errado”, confirma doutora Ruana.

A médica também elenca fatores que trazem risco para saúde feminina e podem aumentar a incidência de câncer, como tabagismo, obesidade e consumo de álcool. Sedentarismo e má alimentação também podem contribuir para o surgimento da doença, portanto manter uma alimentação saudável e fazer exercícios regularmente contribuem para a prevenção. Segundo a profissional, mulheres que praticam atividade física possuem de 10 a 20% menos risco de desenvolver câncer de mama do que mulheres sedentárias.

Prevenção não tem idade

Apesar do risco do câncer de mama ser maior em mulheres a partir dos 40 anos, é recomendado que a cultura do autoexame esteja presente mesmo entre as meninas mais jovens. “Mulheres de qualquer idade podem realizar o autoexame, e é muito importante para conhecer seu próprio corpo”, afirma a doutora Ruana.

 

 

Dengue: atenção aos sinais

VER NOTÍCIA

Com surto em alta, Brasil chega em 4 meses ao mesmo patamar de casos de dengue de todo o ano passado

VER NOTÍCIA

Meus pais têm pressão alta. Eu também terei?

VER NOTÍCIA