Saúde

Aprenda a lidar com o comportamento repetitivo de quem tem Alzheimer

 

 

Cuidador e familiares precisam ter paciência e delicadeza para responder e explicar várias vezes

 

É praticamente inevitável. Toda família tem ou terá um familiar idoso com Alzheimer. A estimativa da Associação Brasileira de Alzheimer é que no Brasil existam cerca de 1,2 milhão de casos, a maior parte deles ainda sem diagnóstico. A doença incurável que se agrava ao longo do tempo se apresenta como demência ou perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem) causada pela morte de células cerebrais.

Até hoje a ciência não tem clareza do porquê a doença de Alzheimer ocorre. Mas, quando diagnosticada no início, é possível retardar o seu avanço e ter mais controle sobre os sintomas, garantindo melhor qualidade de vida ao paciente e à família. Outra coisa que se sabe é que é necessário aprender a lidar com as alterações de comportamento do paciente de Alzheimer, inclusive a repetição na linguagem, o contar várias vezes o mesmo fato ou perguntar “n” vezes a mesma coisa.

É um sintoma bastante comum surgir com o evoluir da doença e requer paciência do cuidador e de todos da família que convivem com o paciente de Alzheimer, explica Gustavo Kohl (foto), médico neurologista do São Francisco, que integra o Sistema Hapvida. “Não adianta dizer que a pessoa já contou aquilo ou que aquela pergunta já foi respondida. Tem é de ter paciência para ouvir a história ou responder a pergunta quantas vezes forem necessárias até o paciente entender. Não se deve tratar quem tem Alzheimer como se fosse uma criança, mas sempre ser delicado”, orienta.

Geralmente, quem cuida de paciente com Alzheimer é um familiar próximo, como filhos, irmãos ou companheiros. Mas nem todos estão preparados para lidar com as alterações de comportamento de quem tem a doença. “O paciente pode ter desde dificuldade para dormir bem à noite e períodos de pouca atividade durante o dia até, na fase mais avançada, agressividade física e verbal. Como o cuidador deve agir, vai depender do estágio. Mas, nunca repreender ou entrar em conflito. A primeira coisa é procurar ajuda médica. Medicamentos e psicoterapia ajudam a controlar a agressividade”, frisa o médico.

No caso do paciente que fica agitado à noite e durante o dia é hipoativo, Gustavo Kohl, que é formado pela Unesp de Botucatu e é especialista pela Academia Brasileira de Neurologia, lembra que há medidas simples que ajudam. “Essas são alterações relacionadas à perda do ritmo do dia a dia. As estruturas cerebrais ficam desajustadas. Muitas vezes, o paciente de

Alzheimer, dependendo do estágio da doença, não sabe se é dia ou noite. Durante o dia, colocar o paciente por um período fora de casa exposto à luz solar ajuda a regular o ritmo circadiano. Também é necessário estimular a atividade cognitiva, que vai de conversar com o paciente e incentivá-lo a fazer uma palavra cruzada”, sugere.

O que a família não deve fazer, ressalta o médico, independentemente do grau da doença, é excluir o paciente de Alzheimer da convivência familiar, das conversas do cotidiano, até porque são atividades que estimulam o raciocínio. Outro aspecto importante: o cuidador de quem tem Alzheimer tem sobrecarga psicológica e também precisa de apoio, de psicoterapia e suporte para aguentar a carga emocional. Uma das alternativas é participar de grupos de cuidadores de pacientes com Alzheimer de forma presencial ou online pelas mídias sociais ou aplicativos, que hoje são bastante comuns.

 

 

 

Secretaria de Saúde realiza nebulização em Santa Cruz

VER NOTÍCIA

Combate a Dengue: Prefeitura de Santa Cruz realiza mutirão de limpeza, confiras as datas

VER NOTÍCIA

Santa Cruz registra 21 casos positivos de dengue, Eldorado e Centro os locais mais afetados

VER NOTÍCIA