Revista

Riscos e a solução para a cigarrinha do milho em nossa região

 

 

Informe Publicitário

 

O milho é uma das principais culturas no Brasil e há uns anos a cigarrinha do milho vem ocasionando prejuízos de até 80% nas lavouras. Ela não ocasiona um dano de forma direta mas de forma indireta. O dano é causado quando a praga, durante o processo de alimentação, desempenha o papel de transmissora dos patógenos causadores dos enfezamentos pálido e vermelhos, e da virose do raiado fino no milho.

O enfezamento é uma doença causada por microorganismos da classe dos Mollicutes, conhecidos como espiroplasmas e fitoplasmas e podem gerar danos que podem acarretar perdas totais da lavoura, a ponto de não justificar a colheita.

Nas safras passadas, na nossa região muitos agricultores sofreram com a cigarrinha do milho, por exemplo, em Palmital alguns tiveram que fazer até 11 aplicações de inseticida químico na safra, gerando custos muito altos, outros tiveram perdas totais de áreas infestadas com a praga e alguns já pararam de trabalhar com a cultura do milho para trabalhar com outra cultura, pois pensam que não há solução para essa praga. E nesta safra em cidades como Cândido Mota e Ibirarema esta praga já está presente.

SOLUÇÕES

Uma ferramenta que tem ajudando bastante e está crescendo 20% ao ano é o uso do controle  biológico. No Brasil já é usado amplamente o uso de fungos entomopatogénicos, como o Metharizium Anisopliae e Beauveria Bassiana. Basicamente eles são aplicados na lavoura com o pulverizador e eles aderem aos insetos em 24 horas, penetram os insetos, incapacitando-os e matando-os em 96 horas. Após a morte do inseto, iniciam-se novos ciclos de conidiogênese, ou seja, os fungos se multiplicam e alguns fatores favorecem isso, como o vento e a chuva. Então, o produto tem uma ação residual, que pode permanecer no ambiente, contaminando as pragas por dias, semanas e até meses, estando em condições favoráveis.

 

Cigarrinhas mortas só com os fungos do EMBATE, sem o uso de produto químico em Platina

 

O uso deste tipo de produtos na lavoura traz vários benefícios.

Por ser um produto líquido, é de fácil aplicação.

Pode ser aplicado junto com produtos químicos.

Não prejudica a saúde de animais ou seres humanos.

Os insetos não criam resistência a este tipo de produtos.

Não precisa ser armazenado em geladeira.

O Agricultor precisa adotar o MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS de maneira contínua, senão ficará cada vez mais caro e difícil produzir.

E para ajudar os agricultores da nossa região a controlar esta e outras pragas na agricultura e a Economizar, a empresa BIOSUL FERTILIZANTES do Rio Grande do Sul, conta no seu portfólio com o produto EMBATE. Um produto exclusivo a base de fungos METHARIZIUM A. e BEAUVERIA B. que atuam com sinergismo, sendo capazes de controlar além da cigarrinha, mosca branca, pulgões, ácaros, lagartas de lepidópteros e mais de 200 tipos de insetos e pode ser usado em culturas como milho, soja, feijão, cana de açúcar, entre outras.

Para o controle ser o mais eficiente possível, precisa ser aplicado no início da infestação, assim que o produtor perceber que já tem cigarrinhas na sua área já deve para fazer a primeira aplicação e não esperar a ver danos porque, eles só aparecem depois e aí já é tarde.

ESTAMOS PROCURANDO LOJA REVENDA DE INSUMOS AGRÍCOLAS na região de Santa Cruz do Rio Pardo que queira se tornar um PARCEIRO, oferecendo esta solução aos seus clientes.

Para pedidos e mais informações entre em contato com o Omar (18) 99718-0155   biosul.assis@gmail.com

Clique no link abaixo e assista ao vídeo:

https://drive.google.com/file/d/1j0Hh1i7HxkQOur-7CsGfEThvvnMSR4jK/view

 

 

Sindicato Rural e ACE Santa Cruz promovem evento gratuito “Mulheres, descubram-se no campo”

VER NOTÍCIA

Evento agrícola terá venda de almoço revertida para Santa Casa e Apae

VER NOTÍCIA

Santa Cruz realiza Encontro de Horticultura Sustentável

VER NOTÍCIA