Revista

IAGRO B3: vale a pena investir em ações do agronegócio?

 

 

Considerado um dos principais pilares da economia nacional, o agronegócio ganhou um índice exclusivo na Bolsa de Valores (B3). Em maio, foi criado o Índice Agro Free Float Setorial (IAGRO-FFS ou IAGRO B3), que acompanha o desempenho de empresas do setor primário, agroindústria, insumos e agrosserviços. A novidade tem despertado a curiosidade dos investidores.

O IAGRO B3 é o primeiro índice com temática agro do país. De acordo com informações da B3, ele responde à demanda do mercado e tem como principal objetivo facilitar a atração de investimentos para o setor.

Os ativos de 32 empresas compõem o IAGRO B3. As cinco companhias com maior peso na carteira são JBS (JBSS3) a Suzano (SUZB3), com 7,43%; Ambev (ABEV3) e Cosan (CSAN3), com 6,22%; e a Klabin (KLBN11) com 6,1%.

A metodologia criada pela B3 estabeleceu que apenas ativos de empresas do setor do agronegócio que atendem critérios de liquidez específicos poderiam compor a carteira do IAGRO B3.

 

Índices setoriais

 

A B3 tem outros índices específicos para setores da economia nacional, como o Índice de Commodities Brasil (ICB B3), o Índice de Energia Elétrica (IEE B3), o Índice do Setor Industrial (INDX B3) e o Índice Imobiliário (IMOB B3). 

Apesar de grandes empresas da mineração estarem listadas na B3 — como a Vale S.A. (VALE3), a Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3), a Bradespar (BRAP4) e a CSN Mineração (CMIN3) —, não há um índice temático exclusivo sobre o setor.

Os índices da B3 orientam os investidores na hora de escolher onde aplicar seus recursos financeiros. Por meio deles, é possível mensurar o desempenho dos ativos negociados na bolsa.

Além dos índices setoriais, a B3 tem índices amplos, de governança, de sustentabilidade e em parceria com a S&P Dow Jones. Uma avaliação prévia permite identificar quais ativos atendem aos interesses do investidor e se é o melhor momento para adquiri-los.

A vez do agronegócio

 

Para quem deseja em investir no agronegócio, o mercado financeiro aponta que este é o momento ideal. A atividade segue como uma das mais importantes para a economia no momento de vacinação e maior controle da pandemia da Covid-19.

Incluir ativos do agronegócio na carteira pode ser uma alternativa para diversificar os investimentos e aumentar o patrimônio financeiro. No entanto, também é necessário considerar os riscos da operação. 

Ações são investimentos em renda variável, modalidade que pode propiciar um retorno financeiro maior em comparação com a renda fixa, mas que também confere mais riscos.

No caso específico do setor do agronegócio, os riscos estão associados, sobretudo, à sazonalidade, aos fatores climáticos e à demanda internacional. Por isso, o acompanhamento do IAGRO B3 é um termômetro sobre o desempenho do setor, mas também é recomendável que o investidor estude sobre a empresa na qual pretende aplicar seus recursos, analisando relatórios e projeções.

Como investir

 

Para ações do agronegócio, o investidor deve ter uma conta em uma plataforma de investimentos. A compra e venda de ativos na B3 é feita de forma on-line.

Em caso de dúvida sobre como compor uma carteira diversificada com ações do setor, a equipe de suporte da plataforma de investimentos pode orientar na hora da escolha.

 

 

Santa Cruz é a 5ª cidade que mais gera emprego na Citricultura

VER NOTÍCIA

Prejuízo dos produtores de soja na região pode chegar a R$ 100 milhões de reais

VER NOTÍCIA

Para fechar o ano! Cart divulga novos valores das tarifas de pedágio

VER NOTÍCIA